Translate this Page

Rating: 4.5/5 (112 votos)

ONLINE
2

 

 

 

 *****

Sempre

Em

Constante

Atualização!

*****

(Brasil)

(Campo Grande)

(MS)

*****
Copyright

by

Claudionor

Araújo

da

Silva

 

Obrigado Pela Visita!!!

Última

Publicação

No

Google:

05/04/2021

14:02:50

[Fred]

ThirdLogo



Poesias004

Poesias004

  
 
  
 
 

Se o Poema For Uma Homenagem
Ou Falar De Pai/Mãe, Ou Descrever
Um Lugar, Procure Nas
Páginas Relacionadas
A Atualização Do Mesmo!!!

*HOJE
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Hoje não!
Hoje outro alguém me habita!
Alguém vadio!
Alguém indomável!
Alguém indiferente!
Sem nexo!
 
As coisas?
Deixa como estão!
Me importar
Hoje?
Hoje não!
 
Hoje
Os ventos falarão por mim!
Hoje
Caio nos braços das canções!
Hoje
Brindo a manhã aos gritos!
Me delicio com a brisa da tarde
E deixo a noite me castigar
Com a chuva!
 
Hoje
Juro que serei queimado
Pelo fogo da madrugada!
 
E nesse amanhã,
Aí sim,
Volto a ser aquele alguém
De antes!
 
Antes do nascer do sol
Abraço todos os problemas!
Aceito todas as responsabilidades!
  

 
*ME DEIXE SÓ
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Me deixe só!
Existe nó!
Pensando bem
Eu quero o canto do bem-te-vi
Só pra mim!
Me sinto assim!
 
Nesse fim de tarde
A essência que reluz
Vem das mais belas ameixas,
Ou das doces cerejas!
 
Agora eu vou sentir a energia
Do último raio de sol,
A tocar no girassol!
 
As folhas das mangueiras
Estão a me esperar!
Vivo a me embaraçar!
 
Os últimos segundos de ventania
Guardam segredos proibidos,
Mas podem ser versos já lidos!
 
Agora eu me alimento de melancolia!
Agora eu deixo que a simpatia da borboleta
Me convença,
Que sozinho, vou curar minhas feridas!
Nem me importo com coisas perdidas!
 
Agora, calmamente, 
Espero a última garoa do dia!
Gosto de harmonia!
 
Quero que a noite me diga:
 
- Parabéns! Hoje você foi incrível!
- Um ser imbatível!
- Amanhã virão novas orientações!
 - Outras sensações!
- Guarde-as com carinho!
 - Esse é o seu caminho!
 
E portanto,
Me deixe só!
Não tenha dó!
 
Vou terminar a lição desse dia!
Coisa da minha antipatia!
 
Me deixe só!
Me sinto pó!
 

  
*MINHAS PINTURAS
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Lá vou eu mais uma vez...
Sempre existe um talvez!
 
Tiro os excessos de PRATEADO!
Ando meio chateado!
 
Pincelando DOURADO CLARO!
A cor que eu amparo!
 
Mostrando que o meu lado BEGE
 Me protege!
Abandonando o CASTANHO e o MARROM,
Mas sem sair do tom!
Deixando o AMARELO falar por mim,
Penso mais em mim!  
Sem exagerar nos VERDES, 
Vestindo AZUL-CELESTE
Ou qualquer coisa que tu pedes!
 
Meu rastro: Um tom LILÁS!
Isso me satisfaz!
 
Ignoro a MAGENTA!
 Quanta tormenta!
 
Nessa esquina:
Um toque de VERMELHO ESCURO
Nesse muro!
 
Nesse poste
Atribuo LARANJA!
Cor da franja!
 
Vem!
Esses caminhos precisam de cores!
Necessitam de amores!
 
EU:
A dose certa de cada cor,
Com toque de calor!
 
VOCÊ:
Aprendiz dessas pinturas!
Projeto de algumas criaturas!
 

 
*MINHA NOITE
(Claudionor Araújo da Silva)
  
Minha noite
 
Se envolve na neblina!
 
Tem cor de carinho!
 
Vem num sabor morango!
 
Se perde nos risos!
 
Tem encanto de samba!
  
Minha noite
 
Põe a cereja no bolo!
 
Dá brilho às cortinas!
 
Deixa as janelas enfeitadas!
 
Abre as portas da felicidade!
 
Tem a energia das águas!
  
Minha noite
 
Me chama de amor!
 
Me acha engraçado!
 
Esquece as dores!
 
Afasta os dilemas!
 
Tem a magia no olhar! 
 
Minha noite
 
Nem pensa em aurora!
 
Mescla repique, tamborim e agogô!
 
Faz a cuíca chorar!
 
Tem reco-reco de aço!
 
Tem som de pandeiro!
 
Minha noite
 
Tem suor de churrasco!
 
Cerveja espumante!
 
Minissaia rodada!
 
Sandália de dança!
 
Jeito de mulata!
 
 
 
Minha noite
 
Navega na poesia!
 
Tem história importante!
 
Emociona artista!
 
Joga o chapéu pra cima!
 
Tem pluma e paetê!
 
 
 
Minha noite é FESTA!
 
É CIGARRO ACESO!
 
TEM PASSARELA!
 
TEM CARNAVAL!
 
 
 
 

 
*ESSA MENINA
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Ah! Essa menina
Que tanto fascina!
 
Não parece, mas já é mulher!
Não! Não é a dona de um qualquer!
 
Me chega assim
Tão de repente!
 
Num beijo me assusta
E me vem novamente
Essa fragrância envolvente!
 
Brilho de batom!
Perfume floral!
Coisa sensacional!
 
Ah! Essa menina
Tem versos risonhos
E diz que estive em seus sonhos!
 
Tem uma história engraçada
Que vai me contar
Antes de ir pra balada, 
Nessa noite tão quente!
Noite de lua nova empolgante! 
 
Ah! Essa menina
Me conta tantos problemas!
Me fala dos dilemas!
 
Me oferece uma taça
Desse vinho que vem
Lá de Portugal!
Lugar do seu ancestral!
 
Diz que adora cerveja
E que algumas vezes
Fuma cigarro importado!
Tem cabelo chocolate dourado!
 
Ah! Essa menina
Diz não se preocupar
Com que os “outros” dizem!
Por que se estressar?
 
Tem em seu celular
Muita fotografia,
Som sertanejo romântico,
Amor e poesia!
 
Ah! Essa menina
Fala de um namorado
Lá do seu passado!
 
Alguém muito marcante
Que deixou de presente
Um romance que conta
Uma história de amor!
Um amor proibido,
Mas não escondido!
 
De repente,
Essa menina
Atende ao telefone
Dessa amiga que quer
Ter a sua presença
Lá no bar da esquina!
 
Ah! Essa menina,
Segurando a minha mão
Se despede de mim,
Assim tão sutilmente,
Com sorriso abrangente
E olhar penetrante!
 
Ah! Essa menina
Traz em sua alma
A essência que a faz
Ser encantadora!
Assim tão sedutora!
 
Sem nenhum fingimento:
Essa menina é CALOR!
Sinônimo de AMOR!
 
 

 
 
*DE REPENTE
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Então
Assim tão de repente,
Me pego pensando nesses erros vividos
Por esse alguém tão desconcertante!
Tão cheio de improbidade!
Que me deixa descontente!
 
De repente
Me pego pensando
Se valeu a pena
O tempo que alguém gastou
Nessas horas amargas,
Proferindo palavras tão árduas!
Tão cheias de malícias!
 
De repente
Sinto que ao meu redor
Só canta a inveja!
A falsidade lidera
E a avareza brilha!
Será que é a minha quimera?
 
De repente
Acho o ósculo
Tão enganador!
Tão libertino!
Tão cheio de dor!
 
De repente
Os meus pensamentos
Ficam num labirinto
E aos poucos
Vão me atordoando!
Vão me enlouquecendo!
  
De repente
Tudo é fingimento!
Tudo é ódio ou lascívia!
Tudo é sofrimento!
 
Tudo é dor e revolta!
Tudo é ilusão!
Morre a paixão!
 

 
*Tão Pouco Assim Viver!
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Num outono de dor:
Tão pouco assim viver!
Onde está o amor?
 
Num inverno de lamentação:
Tão pouco assim viver!
Qual  é a solução?
 
Numa primavera de desamor:
Tão pouco assim viver
Esse dia sem sabor!
 
Num verão de aborrecimento:
Tão pouco assim viver
E cair no esquecimento!
 
Porque existe uma doença que não sara!
Onde está a cura?
 
Existe esse problema que persiste!
Que deixa triste!
 
Existe a palavra que fere!
O olho que excomunga!
Como se livrar desse cárcere?
 
Num dia de azar,
Quem vai ajudar?
 
Quando vai ter fim
A noite de revolta
E de sonho ruim?
 
Numa madrugada de aflição,
Como se livrar de tanta perseguição? 
 
Chuva que apedreja!
Olho que goteja!
Sol que castiga!
Corpo com fadiga!
Na estrada do tropeço:
Um mal que tem começo!
Vento que assola!
Poeira que amola!
  
Onde está o pão?
Foi promessa em vão!
Onde está o vinho?
Tem tormenta no ninho!
Onde está o dinheiro?
Se acabou por inteiro! 
Quem é o amigo?
Deus está contigo? 
Quanto cansaço inútil! 
Quanta doação estragada!  
Outra amizade fingida!
  
Tão pouco assim viver
E na alma ter brandura!
Ter prazer em ajudar
E gostar de ensinar!
 
No olhar: A generosidade!
No coração: O dom da felicidade!
 
Tão pouco assim viver
E ainda sorrir!
Tem prazer em existir!
 

 
 
*IDEIA
(Claudionor Araújo da Silva)
 
E me vem essa ideia
De fazer na minha mordomia
Uma nova poesia!
 
De deixar esse meu lado sensível
Falar por mim!
Dessa sensação, me sinto afim!
 
Me vem, muito tão de repente,
A louca ideia
De brincar com a sorte
Num jogo de azar
De uma boate famosa,
Dessa cidade importante!
De gente tão inteligente!
Tão hospitaleira!
Tão agradável!
Tão inimitável!
 
Mas que ideia é essa
Que me deixa importante,
Num país de flores tão lindas,
Tão criativas,
Tão cheias de vaidade,
Mas que se perdem ou se encontram
Num vídeo qualquer
De algum computador?
Haja amor!
 
Aceito essa ideia
De fazer o meu dia útil
Ser feriado,
Deixando a minha sala de aula
Ser o picadeiro
Pra muito sorriso sincero!
Pras coisas mais interessantes!
Mais cativantes!
 
Entre uma ideia e outra,
Me vem essa ideia
De fazer a minha festa
Nessa chuva de verão!
Nesse dia que tem
Cheiro de churrasco,
Pagode do bom,
Cerveja gelada
E muito refrigerante!
Coisa cativante!
 
E essa ideia
De me destruir com “coisas mundanas”?
De deixar de ser “eu”,
Depois de todas essas primaveras vividas?
 
Ah, não!
Fecho esses braços meus
Pra essa insensatez!
Ainda tenho lucidez!
 
 

 
 
*A MINHA ESPIÃ
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Se veste de seda,
Mas gosta de linho!
 
Sorriso atraente!
Olhar penetrante!
 
Adora piscina, 
Mas prefere praia!
 
 
Tem carro importado!
Moto KAWASAKI!
 
 
Às vezes é santa!
Outras vezes, paixão!
  
Muitas vezes, demônio!
Tantas vezes, a SOMBRA!
 
 
Aprendeu a matar!
Fere por prazer!
 
 
Pode estar escondida
Num canto qualquer 
Dessa cidade fria!
  
Pode vir de repente, 
Assim como um raio
 
Na escuridão!
 
Se disfarça de gato!
Já voou como águia!
 
 
Tem essência de ninja!
Ama BRUCE LEE!
 
Traz úteis detalhes 
Dessas suas missões!
  
Quando chega me abraça,
Me beija e me diz:
 
- Vai gostar de saber
O que eu descobri!
 
 

 
 
*Sei Tudo de Ti
(Claudionor Araújo da Silva)
  
Sei tudo de ti!
Sei quando você passou por aqui!
Sei o nome de quem te faz sorrir!
Posso sentir algumas coisas,
Que pra você,
Poderão surgir!
 
Enfim...
Eu sei sim!
  
Onde moravas,
Muito desejada, tu eras!
 
Eu sei das ocasiões!
Das confusões!
Das confissões!
Dos bailes!
Das festas!
Das serestas!
 
 
Não me esqueço desses seus olhos!
Pude ler os seus sorrisos!
 
Sua pele de avelã
Só queria o conforto
Dos braços daquele amigo,
De cabelos compridos
E olhar provocante!
Tão penetrante!
 
Sua dança sensual
Provou ser maioral!
Na areia branca e fria
Você conheceu o amor surreal!
 
A madrugada lhe presenteou
Com o fruto que o universo abençoou
E a lua testemunhou!
 
O seu amigo partiu!
Um presente deixou!
Um pesado troféu
Que lhe fez sentir o sabor do fel!
 
Espero então que o destino,
Assim tão cruel,
Não tenha sido pra ti,
A ponto de lhe presentear
Com um novo troféu,
Cujo preço é igual 
Ao presente de outrora!
Vivemos uma vida cheia de metáfora!
 
Sei tudo de ti!
Enfim...
Eu sei sim!
 

  
*Amanhã!
(Claudionor Araújo da Silva)
  
Amanhã
Eu deixo o seu brilho me envolver,
Mesmo sem eu merecer!
 
Amanhã
Eu não quero me preocupar,
Se eu vou ou não,
Ter feridas no final do dia!
Quero uma tarde sadia!
 
Amanhã
Eu canto qualquer canção!
Danço na roda dos bêbados!
Visto qualquer roupa!
Deixo a terra queimar os meus pés!
Esqueço os meus féis!
 
Amanhã
Eu posso ser trieiro de formiga!
Ser sorte!
Ser poesia!
Ser todo euforia!
 
Amanhã
Eu finjo que as prostitutas
São santas!
Dou ouvidos à ganância!
Entro na fila dos invejosos!
Aceito todos os nojos!
 
Amanhã
Eu brinco na ventania!
Bebo qualquer água!
Me divirto com qualquer plateia!
Finjo que amo uma sereia!
 
Amanhã,
Olhares
Não vão me incomodar!
Eu vou me extravasar!
 
Amanhã
Eu me alimento com qualquer palavra!
Desempenho qualquer papel!
Me jogo ao léu!
 
Amanhã
Eu quero a sujeira do dia
Tomando conta de mim!
Que seja assim!
 
Amanhã
Eu posso ser demônio!
Eu posso ser santo!
A rima de um canto!
 

 
 
*Dentro de Mim!
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Se me perguntam:
- O que há dentro de ti?
Respondo assim:
 
Um mar de árvores,
Absolutamente silencioso!
 
Um colibri dissecado!
Fogo entranhado!
 
Uma cidade abandonada!
Um lago que sufoca!
Um labirinto!
 
Uma zona abissal!
 
Eu sou assim
Tão desigual!
 
 

 
 
*Coração Cismado
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Um coração cismado
Tem o olhar reprimido!
 
Um andar mais sutil
E um jeito inteligente
De se comunicar!
 
Esse coração
Já sentiu muita dor
Quando a noite chegou!
Quando o dia raiou
Ou quando foi ferido
Nessas madrugadas de desamor!
 
Coração que tanto ri,
Mas que paga com algumas lágrimas de tristeza,
Todos os seus momentos de felicidade!
Isso é verdade?
 
Coração que se aventura
Em buscar uma paixão,
Mas que é sempre golpeado
Pela maldade de quem é tão sem valor!
Que dor!
 
Será que é um coração mesquinho?
Ou, de fato, é um coração ingrato?
  
Coração que aprendeu
A suportar todo mal!
Toda estupidez!
Toda arrogância!
Toda impaciência!
A displicência
E o tédio!
Que privilégio!
 
Coração que vibra
Diante da ternura,
Mas que se mantém cauteloso
Diante dos elogios! 
Diante de uma proposta qualquer!
Diante de algumas amizades
Nessas cidades!
 
Coração de árdua missão,
Que de tanto que sofreu,
Agora adivinha
Até os mínimos detalhes
Que o futuro lhe reserva!
 
Coração incomum,
De essência única,
Que tem o brilho ofuscado
Pela frieza da inveja
Ou por um olho que goteja!
 
Coração virtuoso?
Coração bondoso?
 
 

 
*A Conquista!
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Você:
O dono da segurança?
O mestre da ousadia?
O Senhor inteligência?
 
Será que você domina esse desejo
Controverso e desconcertante?
Vai se manter confiante?
 
Simplesmente
Você é muito 
Prático e por demais da conta,
Competente?
 
Vou acreditar que a sua destreza
Não vai te levar à tristeza!
 
Você vai se encher de problemas?
Quais vão ser os seus dilemas?
 
Você entra de cabeça nessa conquista!
Será que algo vai fazer com que você, desse amor,
Desista?
 
A sua alma gêmea
Talvez não seja tão ingênua!
 
É alguém que pode fazer
Você crescer!
 
Talvez você tenha que padecer,
Pra um amor assim,
Merecer!
 
 

 
 
* Um Livro
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Existe aquele livro que poderá
Ser encontrado em algum escombro!
 
Existe aquele livro que é um romance 
De amor proibido e
Que já foi um filme exibido!
 
Existe aquele livro que é um drama
De alguém que não mereceu
Ter sofrido tanto,
Depois de ter ido pra cama!
 
Pode ser livro de poesia
Que fala das flores,
Do azar, da sorte
E de alguma angústia!
 
Pode ser livro de terror
Que arrepia a pele
E não deixa dormir!
A história de um malfeitor!
 
Pode ser o livro da biografia
De um artista famoso,
Talvez um pouco cabuloso!
 
Pode ser um livro,
Que por estar nas mãos erradas,
Tem as suas páginas muito maltratadas!
 
Você tem inteligência!
Tenha mais sabedoria!
Adote um livro de filosofia!
  
Pode ser um livro que pertence a algum
Malmequer
E está abandonado 
Num canto qualquer!
 
Existe aquele livro que é bem cuidado
Por um alguém muito 
Carinhoso e estudioso!
 
Existe aquele livro que foi encontrado 
Por um fulano que não vai lhe dar valor!
Que horror!
 
Existe aquele livro que foi dilacerado 
Na briga dos imbecis!
Infelizmente
Foi assim que o destino quis!
 
Existe aquele livro que foi maltratado
Pela criança ingênua,
Mas que ainda pode ser recuperado!
 
Tem livro
Que é brinquedo de gato
Pacato!
 
 
Com certeza,
Todo livro é uma riqueza!
 
 

 
 
 
*AS BUSCAS
(Claudionor Araújo da Silva)
 
 
Busco a escada
 
Que me levará ao azul
 
Do arco-íris.
 
 
Busco a alegria
 
Que nem mesmo os palhaços
 
Puderam mostrar.
 
 
 
Busco a fonte
 
Que tem a água
 
Cujo poder
 
Apaixona qualquer coração.
 
 
 
Busco as mãos
 
Que dão brilho aos momentos,
 
Mesmo sendo aqueles
 
De extrema dificuldade.
 
 
 
Busco a roupa
 
Que não me deixa esquecer
 
Quem eu sou.
 
 
 
Busco a rosa
 
Que chora a lágrima
 
De essência artística.
 
 
 
Busco a ave
 
Que tem no olhar
 
A luz que desmorona corações.
 
 
 
Busco o fruto
 
Que destrói toda a maldade.
 
 
 
Vou à sombra da árvore
 
Que eternamente
 
Deixou serena
 
Uma alma aflita.
 
 
 
Vou ao paraíso do meu eu
 
Pra matar as serpentes,
 
Dar juízo às Evas
 
E glória aos Adões.
 
 
 
 

 
 
*O Que Tinha?
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Tinha bar e Folia!
Praia e Sol!
Colibri e Girassol!
 
Tinha Borboletas
Deslumbrantes e muito Belas!
Assim tão Criativas,
Estavam sorrindo pra uma Primavera
Cheia de coisas Atrativas!
 
Tinha beijo Molhado!
Corpo Dourado!
 
Tinha mil e um Malabarismos 
De artistas tão Inspiradores!
Muito Inovadores!
 
Tinha circo de Palhaços
E de mágicos Formidáveis!
Tão Inigualáveis!
 
Tinha música Sertaneja!
Teatro de Improviso!
Tinha muito Sorriso!
 
Brisa Fresca! 
Garoa
E muita gente à Toa!
  
Tinha Curumim!
Ping-Pong,
Futebol, Bilhar
E Pebolim!
 
Tantas latas de Cerveja
Pra muitos litros de Uísque,
Em todo Quiosque!
  
Veio gente Importante! 
Moça de Passarela!
Menino Poeta!
Superatleta!
  
A amizade Prendia!
A ternura Vibrava!
Tinha o desejo de Amar!
A vontade de Ficar!
 
Tinha o que Satisfaz!
Tinha a Paz!
 
 

 
 
*Os Atrasos!
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Perguntas tu:
"- Por que estás atrasado?
Por onde tens andado?".
 
Te respondo assim:
"- Às vezes eu deixo a pressa de lado!
 Fico a recordar o meu passado!
Ando pelas ruas achando que há em mim
A obrigação de dar mais atenção
A todas as pessoas que me olham,
Ou até mesmo aos que me ignoram!
 
Às vezes eu quero iluminar um trieiro
Com um olhar verdadeiro
Com a sinceridade das palavras,
Sem me esquecer
Que eu posso
Num instante ou noutro,
Fingir que eu sou um passarinho
Ou algum aventureiro!
 
Muitas vezes 
Eu paro num desses bares
Onde os familiares se divertem
Em qualquer fim de tarde
Ou num fim de madrugada,
E me distraio com alguém
Que diz ser importante 
Ou que espera por dias melhores!
Dias sem dores!
 
Um dia desses
Eu tive que me atrasar
Porque uma amiga
Me levou por um caminho,
Que entre frases e risos,
Tinha uma bebida revigorante!
Muito interessante!
 
Às vezes eu vou me atrasar
Porque no meu caminho
Eu paro pra observar
A felicidade de um certo alguém,
Que de muito longe, vem!
 
Às vezes eu posso até me atrasar 
Porque eu fico pensando
Em algumas coisas indevidas,
Ou em certas despedidas".
 
 

 
 
*A Importância das Frutas
(Claudionor Araújo da Silva)
 
 Que coisa interessante!
Dizem que a Maçã,
Numa festa de casamento,
É muito importante!
 
 
No dia do Homem:
Uma Pera em sua homenagem!
 
Quer felicidade?
Encontrei na Melancia,
A minha prosperidade!
 
O Morango
É o sabor do amor!
 
Dizem que a Uva
É fertilidade e longevidade!
 
Paixões arrebatadoras:
Framboesas e Amoras!
 
Não é indecência!
Eu descobri que a Cereja
É pura inocência!
 

 
 
*Será que Eu...
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Eu sou
Uma pessoa muito ativa?
Será que eu sou
Uma pessoa muito prestativa?
 
Posso ser aquele
Que nunca deixa passar em branco
Uma oportunidade,
Por não ter medo dos riscos?
Caio em abismos?
 
Me revelo como alguém
Que está sempre preocupado
Com o bem-estar coletivo?
Será que eu sou seletivo?
 
Me realizo com esses trabalhos
Que me estimulam a pensar?
Gosto de estudar?
 
Faço questão de esquecer
As coisas ruins do passado?
Será que eu sou ousado?
 
Em alguns instantes,
Eu sou um pouco distraído?
O que me faz ficar retraído?
 
Eu sou criativo e inteligente?
Será que eu sou exigente?
  
Enfrento os problemas com firmeza e paciência?
Será que na vida, eu tenho alguma experiência? 
Dirijo as minhas habilidades apenas para fins positivos?
Será que eu tenho persistência?
 
Um bom conselho
Eu posso te dar!
Será que você vai gostar?
 
Será que eu deixei a arrogância pra trás?
Adio as minhas decisões urgentes?
Tenho muitos pensamentos divergentes?
 
Sempre percebo o momento certo pra agir?
Divido as minhas conquistas com as pessoas que amo?
Quando eu tenho que mentir?
 
Eu só tenho essa certeza:
 
Sim! Descansarei!
Quando enfim,
Alguns objetivos
Forem alcançados por mim!
 
Quanta destreza?
 

 
 
*O Colibri!
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Vem meu colibri!
Vem!
Vem que eu te conto um segredo que eu descobri!
 
Vem abrilhantar essas minhas tardes chuvosas,
De girassóis felizes e céu de arco-íris!
O que vós, pra mim, sugeris?
 
Vem me dizer que hoje eu estou mais feliz!
Que é assim que o destino quis!
 
Vem beijar todas as flores do meu jardim!
Elas esperam por você!
Estão sempre sorrindo pra mim!
 
Vem cantar a sua canção de liberdade!
De felicidade!
 
Vem!
Confie em mim!
Enfim... 
Pousa aqui na palma dessa minha mão que te chama!
Que a sua falta, reclama!
 
Vem dar mais vida à minha paisagem!
Seja a luz dessa imagem!
 
Vem!
Vem colorir essa solitária folha de coqueiro
Ou beijar a flor do meu limoeiro!
 
Vem bailar entre as borboletas
E sorrir com as libélulas!
  
Vem! 
Vem fazer eu me sentir mais jovem e mais sereno!
Mais humano!
 
Vem!
Vem me ensinar a linguagem secreta da alma!
Me arranca algum trauma!
  
Vem! 
Vem pra beijar o meu rosto antes da sua despedida!
Depois da última chuva gelada!
 
Vem!
Mas diz pra mim que amanhã tu voltarás!
Que por aqui tu cantarás! 
 
Vem! 
Mas não volte sozinho!
Me traga um presente lá da sua morada!
Conta pra mim que a solidão nunca te maltratou!
Que você nunca chorou! 
Me ajuda a escrever esse poema que fala da nossa amizade!
Da nossa cordialidade!
 

 
 
*É NATAL!
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Que haja amor!
Que tenha luz!
Muito perdão
E gratidão!
 
Porque Natal sem a energia da brandura
No coração,
Não tem essência!
Que isso faça parte de toda vivência!
 
Que essas mãos, definitivamente,
Aprendam a doar sem a intenção
De um dia receber!
Que isso faça parte do seu saber!
Do seu entender!
 
Que vá embora do coração
O ódio que todos os dias
Fica entre os inimigos!
Que haja mais abraços
De amigos!
 
Que numa mesma ceia
Estejam sentados ricos
e pobres!
Que o amor seja o sentimento
Que se anseia!
 
Que vá embora a falsidade
Nos apertos das mãos
E nos beijos!
 
Se temos um caminho certo pra seguir,
Por que insistir em ser
Mais um erro
Entre tantos desacertos
Que já existem?
Que tanto persistem! 
 
Quero ver o magnata
Abraçar o mendigo
E dizer chorando:
"- Nós somos irmãos!
Vamos dar as mãos!"
 
Quero ver os jovens semeando a paz!
Fazendo tudo aquilo,
Que a todos,
Satisfaz! 
 
Que a simplicidade seja
Bem mais forte que a vaidade!
 
Que todo homem deixe
De apreciar a guerra
E a dor,
Pra ensinar a linguagem do amor!
 
Nesse mundo tudo é ilusão!
Por que perder tempo com confusão
Se você pode viver em comunhão?
 
 

 
 
*****Ser Feliz? Muito me Custou!*****
(Claudionor Araújo da Silva)
  
Ser feliz?
Muito me custou!
Porque a doença durou!
A maldade açoitou!
 
Pra que eu pudesse ser feliz,
O meu jeito de ser
Eu tive que mudar,
Mesmo sem gostar!
 
Derrubei cercas!
Quebrei muralhas!
Destruí barreiras!
  
Pra que eu pudesse ser feliz,
Tive que brincar de ser santo! 
Mostrei o meu lado demônio!
Fui artista, mago e profeta!    
Fui alguém do passado!
Tive sorte e azar!
Penei! Me perdi!
Me encontrei!
 
Pra que eu pudesse ser feliz,
Estive a andar com os ímpios!
Sentei frente a frente com a maldade!
Acenei pra falsidade!
Naveguei num mar de solidão!
Fingi!
Menti!
 
Pra que eu pudesse ser feliz,
Estive a nadar em rios conturbados! 
Joguei o jogo dos invejosos!
Adormeci na praia da soberba!
Senti a dor da traição!
Dei risadas mesmo sem querer sorrir!
Aprimorei o meu sentir!
  
Pra que eu pudesse ser feliz,
Tive que deixar o vento da amargura me levar! 
Às vezes me calei! 
Com a boca cheia de fel,
Eu falei!
 
Pra que eu pudesse ser feliz,
Tive que abrir mão da tranquilidade! 
Acelerei os meus passos!
Rompi laços!
Ignorei olhares!
Aceitei blasfêmias
E injúrias!
 
Pra que eu pudesse ser feliz,
Eu tive que me aceitar!
Me conformar!
 
Finalmente eu entendi
O porquê dessas coisas que me gastam!
Que me sufocam!
 
Pra que eu pudesse ser feliz,
Estive abraçando inimigos!
Me escondi dos amigos!
 
Perdi tempo!
Me desfiz de bens! Almejei valores!
Mas agora eu estou vivendo dias melhores!
 
Muito me custou ser feliz! 
Foi assim que o destino quis!
 

  
 
*****Dizem que eu sou Herói!*****
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Dizem que eu sou herói!
Isso me dói?
 
Pra mim os labirintos devem ter
Corredores assustadores,
Salas perigosas
E quartos cheios de lagartos! 
 
Vou abrindo essas portas
Que automaticamente se fecham!
Que provocam calafrios!
Quantos desafios!
  
Todas as vezes eu sou uma visita indesejada!
Mal-amada!
 
Ouço a orquestra das armas assassinas!
Me afasto dos passos dessas sinas!
  
Às vezes eu fico sem defesa e tenho que fugir!
Tenho que mentir!
 
Vivo contando com a sorte!
Sempre eu preciso ser mais forte!
 
Algumas vezes eu saio em busca de alimento!
Preciso de alguns instantes de
Adormecimento! 
 
Outras vezes eu encontro tesouros valiosos!
Observo se à minha espreita,
Existem olhos!
 
Quando eu procuro por chaves
É porque eu estou precisando
Da ajuda dos elevadores
Que vão me livrar de alguma prisão!
Que emoção!
 
Estou só!
Que nó!
 
Muitos são os exércitos que estão contra mim!
A minha vida tem sido assim!
 
Mas eu gosto de guerrear!
Não posso me esquivar!
 
Vivo buscando o perigo!
Não encontro nenhum amigo!
 
Um, dez, vinte ou cem labirintos
Não me satisfazem!
Pode aumentar essa contagem!
Pouca dor é bobagem!
 
Não sei ainda quantas portas
Eu vou ter que abrir!
Será que o pior ainda está
Por vir?
 
Só sei que mesmo ferido
Eu não posso parar de lutar!
Também preciso amar!
 
Vou curando as minhas feridas e sempre me lembrando
Que nesse jogo eu só tenho uma vida!
Estou perto da despedida?
 
Dizem que eu sou herói!
Isso me dói?
 
Me comparam à Wolfenstein!
I'm in Liechtenstein!!!
  
 

  
 
*TUDO DE BOM NESSE JARDIM!
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Ah! Sim!
Mesmo Assim!
Nesse jardim: Tudo de bom!
Sem triste fim?
  
A força do jasmim vermelho! 
A graça do hibisco! 
A alegria do lírio branco!
  
Flor de laranjeira! 
Pra você: Íris!
Para mim: Papoula amarela!
Mais flor de amendoeira!
 
Um viçoso dente de leão!
Por favor, me traga as glicínias!
Gladíolo?
Sim! Estou a fim!
Sinceridade faz bem!
Que satisfação!
 
Um toque de girassol! 
Se uma flor morrer,
Pode acreditar:
Muito irei sofrer!
 

 
 
*O Que Me Faz Viver Agora?
(Claudionor Araújo da Silva)
 
O que me faz viver agora?
Algo que me faça recordar 
Dos tempos de outrora?
 
A alegria
Desse amanhã que está por vir?
A dor que já vai sumir?
 
O sorriso
De alguém muito interessante?
Uma coisa atraente?
 
Uma pujança?
Uma esperança?
 
Um sonho?
Algum caminho?
 
O que me faz viver agora?
 
Não sei!
 
Porque a brisa da madrugada de hoje,
Só me trouxe tristeza!
Incerteza!
 
Me tirou a paz!
E agora
O que me satisfaz?
 
Me calei!
Me revoltei!
 
Vivi um dia amargo!
Sem afago!
 
Vivo mais uma noite sem graça!
Algo me embaraça!
 
O que me faz viver agora?
 
Talvez os livros expliquem!
Talvez na solução,
Os anjos contribuem!
 
Talvez a chuva diga!
Talvez seja fugir
De alguma intriga!
 
Talvez eu tenha que buscar
Aquilo que vai,
De uma vez por todas,
Me deixar mais vivo!
Mais persuasivo!
 
O que me faz viver agora?
 
Se eu descobrir, te digo!
 
O que me faz viver agora?
 
Um santo?
Um recanto?
 
Uma frase?
Uma epífrase?
 
O que me faz viver agora
Talvez nem tenha sabor!
Nem traga calor!
 

 
  
*Por um Motivo Qualquer
(Claudionor Araújo da Silva)
 
De repente, por um motivo qualquer
Eu digo que eu vou me calar,
Porque é assim que o meu coração quer!
 
Por um motivo qualquer,
Num poema de amor
Eu posso contar a história de um certo alguém!
Falo de alegria e também de dor!
  
Por um motivo qualquer
Eu aceito alguns sorrisos,
Mas recuso certos agrados!
 
Por um motivo qualquer
Eu finjo ter vivido uma alegria,
Ou eu me coloco no lugar
De quem muito sofreu!
Tudo faz parte desse ego meu!
 
Por um motivo qualquer
Eu me apaixonei por todas as madrugadas!
Até mesmo as mais geladas!
 
Por um motivo qualquer
Eu dispenso o luxo 
E aceito o lado simples
Das coisas!
Depois eu assumo as consequências!
 
Por um motivo qualquer
Eu posso ficar arrependido
De um mal que eu não cometi!
Será que foi porque eu menti?
 
Por um motivo qualquer
Eu aceito ser nada,
Ou o resumo
Da alegria e da tristeza
Eu aceito ser,
Com certeza!
 
Por um motivo qualquer
Eu me perco em minha santidade
E fracasso no meu lado demônio!
Que infelicidade!
 
Por um motivo qualquer,
A todo momento
Eu posso falar das coisas boas 
Ou só das coisas ruins
De alguns curumins! 
  
Por um motivo qualquer
Eu abracei a solidão,
Ignorei a gratidão,
Presenteei o azar
E dispensei a ideia que me veio a calhar! 
  
Por um motivo qualquer
A sorte me aceitou!
Por um motivo qualquer
O mundo me abraçou!
 

 
*Esses Olhos!
(Claudionor Araújo da Silva)
  
Esses olhos? 
Ah! Olhos assim não me enganam,
Mas sei que eles fascinam!
 
Não! Eu não preciso de muito tempo
Pra dizer o que esses olhos me dizem!
O que esses olhos sugerem!
 
Olhos assim
Escondem a vontade de ferir,
Porque se sentem feridos!
Às vezes podem ser um
Pouco acanhados!
 
Disfarçam a angústia
Numa escuridão qualquer!
Vivem em busca de um bem-me-quer!
 
Bailaram em camas
Que eu bem sei
Quais foram os perfumes que se exalaram!
Sei também quando gotejaram!
  
Mostram ira
Quando os seus segredos são desvendados!
Estão sempre sendo elogiados!
 
Olhos assim 
Já se desesperaram
Quando um grande amor partiu!
Tudo aconteceu num mês de abril!
 
Se acharam protegidos,
Mas se viram perdidos
Quando as suas máscaras caíram!
 
Se deliciaram
Com o sofrimento de alguém, 
Mas foram a inspiração
De quem se aventurou
A ser poeta!
Alguém que tinha
Alguma meta?
 
Ah! Esses olhos...
 
Às vezes sofrem calados!
Contam histórias dos tempos passados! 
 
Sinceramente,
Esses olhos sentem a vontade de se aventurarem
Como antigamente!
  
Esses olhos estão sempre errando!
Sempre reclamando!
 
Enfim...
Olhos assim,
Quando se aproximam de mim,
Nunca me enganam!
 
Olhos assim
São tão comuns!
Tão toscos!
Às vezes se deparam com 
A apreciação de um ou outro curumim!
 

 
 
*****!*****
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Lá atrás daquela serra,
Na frente de uma colina,
Embaixo da frondosa árvore
Ainda nos encontramos com a ternura
De uma casinha de sapé,
Onde alguém
Que não tem relógio
E nem pensa em ir embora,
Adora a solidão
E não sabe o que é infelicidade!
Pra que ir pra cidade?
 
Lá, as gaivotas se amam!
As sereias se encontram! 
Os golfinhos se divertem!
As baleias não se amedrontam
E a lua,
Todas as noites,
Baila no céu!
Lá existe o gosto do verdadeiro mel!
 
Lá ainda se pode respirar
O mais limpo ar de brisa!
Lá a gente sente muita preguiça!
 
Lá é onde as canções dos coqueiros
São sempre bem-vindas!
Lá, às vezes aparecem algumas visitas!
 
Lá, tão de repente, as manhãs nunca passam,
As tardes se despedem sem pressa
E nunca se tem noites de amargura!
Eu sei que lá existe muita formosura!
 
Existe esse “q” de quero mais!
De quanta vida!
De quanta beleza! 
De quanta magia
De noite e de dia!
 
Lá,
Enquanto cai a tarde,
Alguns lírios choram, 
Certas flores se amam
E os bichos se beijam!
 
Lá, coisas boas acontecem,
Porque onde existe o amor,
Reina a paz!
Lá o coração se satisfaz!
 

 
*Eu quis Acreditar!
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Eu quis acreditar na sua bondade!
Juro! Juro que por poucos instantes
Eu quase acreditei!
Eu quase me enganei!
 
Eu pensei na mesa farta que me esperava!
Eu pensei em algumas doces palavras
Que tu me disseste!
No seu semblante eu encontrei a paz,
Mas de repente eu voltei atrás!
 
Eu quis acreditar na sua bondade!
Na sua felicidade!
 
Juro! Juro que por poucos instantes
Eu quase acreditei!
Eu quase me enganei!
 
De repente eu percebi
Que tu escondias
Os punhais da morte
E isso não é sorte!
 
Pra eu não me ver
Novamente sozinho,
Diante de um batalhão de inimigos,
Resolvi dizer: "- Até logo!"
Pela minha paz eu rogo!
 
Lembro quando eu ouvi:
"- Por que irás partir?
Espere o sol sumir!"
 
Eu deveria ter dito:
"- Já estou cansado de me defender de lanças envenenadas!
Já cansei de estar ferido e mesmo assim ter que
Lutar com feras selvagens! 
Já me cansei de fingir que eu estou diante de flores santas!
Já me cansei de ser tratado
Como um pedaço de árvore morta!
Pra você isso não importa!"
 
Mas disse: 
"- Parto agora porque alguém me espera!"
 
 Falar assim eu acho que foi mais adequado! 
As minhas costas viram um olhar surpreso, 
Um pouco displicente e muito fracassado!
 
Eu quis acreditar na sua bondade! 
Juro! Juro que por poucos instantes
Eu quase acreditei,
Mas o seu convite eu recusei!
 

  
*Imagine Você...
(Claudionor Araújo da Silva) 
 
Imagine você...
De repente eu sou o dono
De um vosmicê?
 
Eu sei que eu sou esse ser
Que sempre se deu bem com a solidão!
Eu sei 
Que eu não caio nas armadilhas de um coração!
Eu sei
Que eu não me empolgo com ares de beleza!
Sempre eu tenho muita destreza!
 
Eu  estou acostumado a me decepcionar
Com essas flores errantes!
Sempre tão irritantes!
 
Não sei se eu fui escolhido
Pela sorte ou se foi pelo azar!
Eu não fui feito pra me apaixonar!
 
De repente,
Numa dessas madrugadas,
Um certo alguém disse, que por mim,
Se apaixonou!
Será que isso me empolgou?
 
Ah! Esse louco amor!
Vai me trazer sorrisos?
Ou vai me trazer dor?
 
Disse tanta coisa boa!
Será que foram palavras 
À toa!
 
Falou do meu jeito de ser!
Eu fiquei ouvindo tudo
Mesmo sem querer!
 
Falou de algumas proezas que eu fiz!
Comentou certos fatos que eu nem me lembrava mais
E disse que alguns dos seus sonhos,
Só serão realizados
Se eu estiver ao seu lado!
Eu fui privilegiado?
 
 Pra esse amor
Eu disse: "- Não!"
 Sou pura ingratidão?
 
Eu sou como um passarinho que gosta da liberdade!
No meu ninho não cabe mais um!
Isso pra mim é pura felicidade! 
 
Se sozinho
Eu já tenho muitas preocupações,
Imagine o que vai ser de mim
Se aparece alguém
Pra eu ter que dividir o meu espaço...
Desse amor eu me desfaço?
 
Com certeza
Os problemas se multiplicarão!
Eu vou ser pura sofreguidão!
 
Os elogios eu agradeci!
Foi assim que eu decidi!
 
Nessa minha caminhada
Eu já estou tão acostumado
A levar pedrada,
Que quando eu sou atingido,
Já nem sinto a dor!
Que horror?
 
O que me espanta mesmo
É ver alguém assim como esse amor:
A ternura do amanhecer!
Será que esse amor pôde me entender? 
 

  
*****De Repente*****
(Claudionor Araújo da Silva)
 
De repente
Me chegam algumas ideias!
São coisas boas
Ou é pura loucura?
 
Me deu vontade de escrever nas nuvens!
Me deu vontade de me encontrar, num deserto,
Com algumas miragens!
Me deu vontade de tatuar as estradas com o meu carisma!
O que vai me trazer cisma?
 
Me deu vontade de escrever poemas!
 
Poemas escondem palavras numa carta de baralho,
Num nome de uma flor ou
Num nome de um bicho!
Tudo é feito com muito capricho!
 
Às vezes são feitas algumas correções
Pra que as frases fiquem mais belas!
Não se pode esquecer das vírgulas!
 
Posso falar da energia dos lares! 
Algumas vezes muitas alegrias estão presentes!
Outras vezes a tristeza mostra o seu jeito cruel de ser!
Vamos escrever! Você vai crescer!
 
De repente
Todo dia é dia de poesia!
Uma doce mania!
 
As homenagens são sempre bem-vindas!
As cores?
Ah! É muito importante saber usá-las!
 
Tem poema que vira canção! 
Tudo é motivação!
O encanto de um lugar!
Amor de pai e de mãe!
Uma história importante de alguém!
Uma ideia que vem!
 
Nem o relógio é esquecido,
Pois as horas podem ser iguais ou invertidas
E estão presentes em todas as vidas! 
 
Passar o tempo escrevendo
É sempre um bom passatempo,
Mesmo quando não se tem muito tempo!
 
Quer exercitar a mente?
Comece a escrever!
Tenha mais harmonia!
Escreva um poema todo dia!
 
Seja original,
Mas não deixe que a empolgação te domine!
Estamos sempre sujeitos aos pecados dessa vida!
Escreva e mude o seu alto-astral!
 

  
*****O Meu Novo Jardim*****
(Claudionor Araújo da Silva)
 
O importante pra mim,
Nesse exato momento,
É a essência da paz!
Isso me satisfaz!
 
A minha euforia 
Me trouxe um sério prejuízo!
Por essa tragédia,
Eu me responsabilizo!
 
Será que eu plantei o ódio
E por causa disso,
Colhi vitupério?
 
No jardim da minha alma
Eu arranquei todas as flores!
Agora eu só tenho dores!
 
Tenho que plantar
As coisas que me dão mais vida!
Tenho que esquecer uma ilusão perdida!
 
Se o meu coração foi castigado pela maldade,
É porque no jardim da minha alma
Alguém plantou a semente da inimizade!
Que infelicidade!
 
Encontrar novas pastagens pro seu gado,
É o objetivo de um nômade!
O objetivo de todo coração
É a alegria e a liberdade!
 
 

  
*Amanheceu!
(Claudionor Araújo da Silva)
  
Amanheceu
E muita coisa no mundo já aconteceu!
 
Eu pergunto pra mim mesmo: 
"- O que vai me deixar mais feliz hoje?"
Preciso de forças que me levantem,
Porque o meu coração,
Aqui nesse quarto,
Quer que eu me aloje!
  
Talvez a brisa me traga 
Uma boa lembrança!
Talvez o sol me faça
Eu ser sinônimo de temperança!
 
Talvez uma ideia qualquer
Me traga sorte!
Talvez uma bebida forte
Me deixe sorrindo
E eu desista de continuar
Dormindo!
 
Talvez
O remédio que vai me curar
Seja a reflexão!
Talvez eu tenha que fugir da solidão!
 
Talvez hoje eu receba a visita
De um certo alguém, que num de repente,
Vai ser capaz de me alegrar!
De me curar!
 
Talvez eu precise
Ver algo que me instigue
A dizer certas coisas
E assim então,
Eu vou ficar mais feliz!
É tudo o que eu sempre quis!
 
Talvez um trabalho leve
Ou algo que alguém escreva,
Me leve a dizer:
"- Até breve, quarto que me serve!"
 
Eu tenho esse “q”
De um “Por que"!
 
Por que será que o que me apraz
Está demorando tanto
Pra me trazer a paz?  
 

  
******Tantos Amuletos*****
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Esse ano eu não pensei duas vezes
E fui logo me agarrando às turmalinas negras!
Eu preciso me livrar das forças sombrias!
 
Eu preciso encontrar a minha pedra coral!
Ter a proteção que vai controlar a minha emoção,
É a minha decisão! 
 
Ah! A minha ametista...
Eu não devia ter deixado ela se quebrar assim...
E agora?
Se os infernos persistirem,
O que vai ser de mim?
 
Magnetita:
O poder da intuição
Na palma da mão!
 
Os fracassados procuram... 
Os gananciosos buscam...  
Pra sorte não escapar pelos vãos dos dedos,
A green gold é a solução contra o azar!
 

 
*As Minhas Pimentas!
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Esses temperos!
Tantos sabores! 
Muitos teores!
 
Vem com Biquinho,
Um feijão mais gostosinho!
 
Tem Cambuci
Nesse arroz que está aqui!
 
Vai ser mais uma atração,
Se nesse macarrão
Eu tiver Dedo de Moça!
 
Já plantei no meu terreno
Outra Pimenta-do-Reino!
Já espero aquele bife
Com essa Pimenta-de-Cheiro!
 
Cai na minha!
De tardezinha
Tem gosto de Bodinha
Lá na cozinha!
 
Você diz que não chora,
Mas essa lágrima na sua jaqueta
Tem Pimenta-Malagueta!
 
Cumari-do-Pará:
Tem aqui!
Tem ali!
Tem lá
E também tem acolá!
 

  
*Espere um Pouco!
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Espere um pouco!
Não fique louco!
Não preciso de muito tempo
Pra te restaurar!
Pra te salvar!
 
Nessas suas andanças,
Eu bem sei:
 
Foram tantas as dores agudas
Que sentiste,
Que agora só restam
Algumas migalhas
Daquilo que tu eras!
 
Eu vou lhe reconstruir
Com o poder das frases!
Elas podem afastar as suas dores!
 
E então
Habitará para sempre
Nesse seu coração ferido,
A coragem dos leões!
 
 
Os pensamentos que devoram a maldade
Farão da sua alma
Uma ferramenta importante,
Para conduzir o seu corpo à vitória!
Você vai mudar a sua história!
 
Os seus costumes devorarão
Essas suas manias tão estranhas!
Serás o dono de muitas façanhas!
 
Às magoas: 
Um toque mágico de sapiência,
Agregando felicidade 
À força de caráter!
A energia para viver,
Tu irás ter!
 
Diante desses Neros
De tantas Romas,
Finalmente sentirás
Que um imenso poder, 
A cada dia que passa,
Vai te deixando mais forte!
Eu sou o seu suporte!
 A essência da cura!
Você vai ser a empolgação positiva!
A eterna bravura!
 

  
*****O Que Dizer?*****
(Claudionor Araújo da Silva)
   
Sinceramente,
Eu não sei
O que eu tenho que dizer agora!
É melhor eu não falar nada
E ir embora?
 
Estou preso num beco
Que não tem saída!
Falo de uma chegada
E de alguma partida?
 
Se eu contar uma história de amor, 
Certamente ficará no ar
O perfume do escárnio,
E eu não quero ter esse sacrifício! 
 
Se eu disser que a morte de alguém já está se aproximando,
Talvez eu esteja me enganando!
 
Posso usar o nome de uma flor 
Pra esconder algumas palavras?
Falo das cores e pinto as letras?
 
Não! 
Hoje eu tenho uma nova sensação! 
 
Hoje eu quero saborear
A minha fruta preferida,
Olhando pro céu ou apreciando
Uma paisagem de verão! 
 
Os seus pecados? 
Hoje eu esqueço eles!
Quero sentir outros sabores!  
  
Dentro de mim
Eu encontrei um caminho
Que me levou a um lugar,
Onde eu pude me alimentar
De uma energia
Que me fez pensar diferente,
E é por isso que
Eu não tenho nada pra lhe dizer
Através de uma carta de baralho!
O mais importante pra mim, hoje,
É a beleza de um carvalho!
 
Hoje eu vou apreciar os bichos
Sem me importar com os seus símbolos!
 
Talvez mais tarde,
Quando a brisa da noite chegar,
Eu tenha palavras bonitas pra te falar!
 

   
*Se eu Estou em Silêncio
(Claudionor Araújo da Silva)
  
Se eu estou em silêncio,
Da janela do meu "eu"
Eu posso ver os pingos de felicidade, 
De um dia que está por vir,
Ou as gotas de tristeza
De uma noite que não demora a chegar!
  
Se eu estou em silêncio,
Da janela do meu "eu"
Eu fico sabendo se eu vou me encontrar
 Com aquele alguém,
Que há muito tempo eu não vejo!
 
Se eu estou em silêncio,
Da janela do meu "eu"
Eu sei das frases e dos sorrisos, 
Que num piscar de olhos,
Vão estar presentes!
 
Se eu estou em silêncio,
Da janela do meu "eu"
Eu posso ver se eu vou ter que lidar
Com certas coisas que eu sempre odiei!
 
Se eu estou em silêncio,
Da janela do meu "eu"
Eu me distraio com uma verdade do passado, 
E me alimento de momentos
Que serão importantes pro meu futuro!
 
Se eu estou em silêncio,
Da janela do meu "eu"
Eu descubro o que havia
Por trás das palavras eloquentes!
 
Se eu estou em silêncio,
Da janela do meu "eu"
Eu encontro a minha prudência,
Nos momentos em que eu me julguei
Ser tão imprudente!
 
Se eu estou em silêncio,
Da janela do meu "eu"
Eu vejo o texto das próximas cenas!
 
 

 
 
******Vou!*****
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Na realidade:
Que felicidade!
Vou pra sentir a energia da amizade!
Vou pra ver alguns abraços
Ou outros beijos!
Posso ofertar alguns sorrisos!
Posso entregar, 
Com muita boa vontade,
Palavras construtivas!
Versos amorosos!
 
Não sei se eu vou ouvir assuntos relacionados
Às doenças dos seres humanos!
De alguns profanos!
 
Não sei se eu vou me emocionar
Com algumas verdades!
Com algumas caridades!
 
Talvez eu nem queira ficar!
Talvez eu me sinta,
Demasiadamente, confortável!
Afável!
 
Se alguém disser: 
"- Esse é o seu palco. Faça o seu show!"
  
Então o meu lado colibri
Vai mostrar um brilho
Muito mais intenso,
Que a luz do meu jeito solitário!
Tão humanitário!
 
Se me mostrarem aquelas cenas
Que já me perturbaram
Nos tempos de outrora,
Eu vou me desvincular de tudo!
Vou ficar mudo!
 
Vou porque o meu dia
Necessita de um toque da harmonia!
 

 
 
*****Nesse meu Caminho!*****
(Claudionor Araújo da Silva)
  
Nesse meu caminho
Eu perfumei os lares
Com a essência da responsabilidade
E da cordialidade!
 
Vi a inveja amarrar
Corações angustiados!
Corações cheios de ódio!
Corações cheios de tédio!
 
Encontrei roupas rasgadas
Pela fúria de um desejo ardente!
Eu sou muito confidente!
 
A maldade muitas vezes
Se disfarçou de ingenuidade!
 
Não foi difícil entender
Que muitas palavras
Foram lançadas
Como flechas envenenadas!
 
Nesse meu caminho
Eu aprendi a ignorar a beleza!
Tive que agir com destreza!
 
Quando eu menos esperava,
Me vi de frente com corpos,
Que cedo demais,
Foram destruídos pela fome da luxúria!
Que coisa séria!
 
Um caminho
Que por várias vezes
Me obrigou à ser surdo
E me submeteu à mudez,
Com muita sensatez!
 
Eu vi a bondade se abater,
Devido à cólera dos vingativos!
Dos fingidos!
 
Nesse meu caminho
Eu venci demônios,
Com o poder da minha energia!
Da minha inteligência!
 
Entendi que as flores se perdem
Porque se sentem desprezadas,
Ou porque não são tão firmes
Diante da força de alguns vendavais,
Ou do poder de tantos calores!
 

 
 
*****O Meu Amigo!*****
(Claudionor Araújo da Silva)
 
O meu amigo,
Aquele lá do “Face,
Me pede um poema
Bem diferente!
Muito casual!
Assim trivial!
 
Que seja “Maneiro”!
Que conte uma história
Dessas que acontecem
De uma hora pra outra, 
Quando a gente menos espera!
 
Eu pensei num romance
Desses bem “Calientes”,
Que deixa com “Água na boca
Qualquer “Sereia” que leia!
Qualquer “Playboy” que duvide
Da minha inteligência!
 
Mas de repente
Eu resolvi falar do meu “Brother”,
Que não é “Big” e nem é “Little”!
Que tão de repente
Cantou uma canção
Que me fez voltar no tempo!
Que emoção!
 
Esqueci o relógio!
Esqueci o trabalho! 
Esqueci que a minha vida
Agora é muito atarefada!
  
Como foi possível,
De uma hora pra outra,
Eu ter me libertado
De tantas coisas ruins e ter tido,
Por pouquíssimos minutos,
O privilégio de “Me ver
Há alguns anos atrás?
Isso me satisfaz!
 
Mas e agora?
Como eu vou fazer pra esquecer
As palavras do refrão de uma canção?
 
E me vem novamente essa lembrança:
 
Esta noite você vai ter que ser minha!
Esta noite vai ser feita pra nós dois!
Nem que seja dessa vez e nunca mais!
Só não quero deixar nada pra depois!
 
 

  
*****Por Aqui (O Doutor)*****
*****(Claudionor Araújo da Silva)*****
  
Enfim...
Eu vou ficar por aqui!
É melhor assim!
 
As músicas me aquecem!
Alguns vídeos me divertem!
 
Eu sei que aqui estão disponíveis
Algumas fotos incríveis!
 
Eu fico com essas frases
Que não são ditas
Com “Segundas intenções”!
 
Eu vou ficar por aqui!
Talvez eu modifique
A minha propaganda!
Eu adoro essa varanda!
 
Talvez até
Alguém me traga um paciente!
Mais um doente!
 
Desses que sofrem com os 
Maus-tratos, constantemente!
 
Sinceramente,
Existem muitas mãos loucas e ansiosas
Que muitas vezes se perdem
E outras vezes,
Dizem não saber
O que fizeram
E se arrependem!
 
Se de repente o remédio é
Aumentar a memória primária
Ou refazer todo o gerenciador
Dos componentes de hardware,
Pra curar,
Algumas ferramentas a mais
Eu vou ter que utilizar! 
  
Eu vou ficar por aqui!
Certas coisas sempre vão me entreter!
Isso eu posso compreender!
 
Por aqui
Já passaram corações acelerados!
Vidas destruídas pelo ódio!
Amores inesquecíveis
E dores quase incuráveis!
 
Algumas lembranças eu resolvi guardar!
Alguns sonhos estão escondidos!
Não podem ser esquecidos!
 
A cura sempre vem depois de muito esforço! 
Eu quero ver os meus pacientes sempre sorrindo! 
A inteligência e a intuição são duas armas infalíveis!
Todos os problemas são solucionáveis! 
  
 

 
 
*Na Minha Trajetória
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Já vi flores feridas
Serem maltratadas! 
Já vi belos cravos
Serem pisoteados!
 
Será que na vida
Há sempre alguém que paga
Por um mal que não cometeu?
Isso é verdade ou é um engano meu?
 
Mas na minha trajetória
Nenhum perfume me seduziu!
Nenhuma emoção
Me fez, assim tão de repente, 
Eu mudar o meu caminhar!
O meu jeito de falar!
 
O que me satisfaz tem um estilo
Cuja versão
Tem uma outra tradução!
 
Não vou procurar por montes
Que escondem as desavenças
Desses segredos carregados de fel!
Que mundo cruel!
  
Às vezes é preciso se afastar 
De algumas palavras doces!
De alguns bons olhares!
De alguns corações!
 
Aquilo que seduz
Tem um propósito!
Sabe se disfarçar!
Sabe te conduzir!
Pode te enganar!
 
A brisa que eu elogio
É tão rara,
Que eu até já me esqueci
Do dia em que eu me encontrei
Com esse ar que me deu mais vida!
Hoje é uma ilusão perdida!
 
Se o destino
Não dá chance de escolha
Pra alguma estrela desse céu,
Então o que eu quero mesmo
É curtir o que eu já conquistei
E o que me faz feliz!
Tenho que suportar os meus "Dodóis"!

 
 
*****Os Talheres!*****
(Claudionor Araújo da Silva)
[Contém a Simbologia dos Talheres]
 
Os talheres podem dizer algo!
 
Um dia desses
Alguns deles, 
Pra um visual pra lá de especial,
Disseram: "- Excelente!"
  
Nas noites de dezembro,
Por alguma causa,
Podem pedir uma pausa!
  
Aguardam o segundo prato,
Mesmo se o sábado for gelado!
Isso está explícito nessas mesas!
 
 De repente: “- Não gostamos!”
Foi a frase
Dita na noite passada,
Por talheres muito exigentes!
 
 
Às vezes os sorrisos dos amores
Dizem: “- Tudo bem!"
Mas os talheres, que nunca mentem, 
Deixam no ar o sabor
Que indica o fim de um grande amor!
  
 

  
*****A Minha Flor Especial*****
*****(Claudionor Araújo da Silva)*****
 
Merece muito mais que mil aplausos!
Merece muito mais que mil beijos! 
Merece luxo e conforto!
 
Merece não ter desgosto!
Nunca deve ser esquecida!
 
Merece ter paz em sua vida!
 
Uma flor especial
Não nasce assim
Em um jardim qualquer,
Cheio de ervas daninhas,
Onde existe o sofrimento
Por causa do desprezo
Desses jardineiros tão cruéis!
Tão irresponsáveis!
 
As flores especiais são inigualáveis!
São raras!
São inimitáveis!
 
Mesclam verdade, perfeição
E emoção!
 
Com muito preceito,
Nascem pra seguir um caminho estreito!
 
 
São feitas de pureza e amor!
São magia e calor!
Trazem consigo o troféu da sabedoria!
São flores de pura filosofia!
 
Feliz é quem tem o privilégio
De ser o merecedor do toque
Dessas magníficas pétalas!
 
Uma flor especial é sinônimo
De rara fragrância!
 
É inteligência!
É felicidade!
É vida!
É sorte!
É flor muito abençoada!
 
Nesse meu caminhar
Eu encontrei muitos sorrisos!
Presenciei as dores desses amores!
 
Certas flores amargam o dia!
Porém o brilho de uma flor especial,
Traz às horas, mais harmonia! 
 
Uma flor especial:
A perfeição da natureza!
A fragrância sensacional! 
 

 
 
*Neste Exato Momento
(Claudionor Araújo da Silva)
  
Não!
Agora não!
 
Neste exato momento
Eu estou sem condições
Pra dialogar!
Tenho que parar pra pensar!
 
O sono me perturba!
A tristeza se agarrou
Aos meus olhos!
A minha mente pede paz!
A fadiga me domina!
Eu não quero ouvir nada!
Uma parte de mim
Está drasticamente ferida!
A crueldade nas arenas dessa vida
Parece ser infinita!
Quanta luta maldita!
 
Alguns leões não caem
Assim tão facilmente,
Como eu imaginei!
Mais uma vez eu acertei!
 
Preciso de armas
Mais aprimoradas!
Mais rápidas!
 
Não! 
Neste exato momento
Eu estou sem condições
Pra encarar certos problemas!
Pra resolver alguns dilemas!
 
Um peso exorbitante
Domina a minha alma!
Eu imploro por calma!
 
Eu não vou me importar, 
Se de repente
A brisa noturna
Me trouxer mais desgosto!
Já estou preparado pra sentir
O amargo de um outro gosto!
 
Prejuízos? 
Algumas vezes
São necessários!
Podem fazer seres humanos
Mais humanitários!
  

  
 
*Antes Deste Café Esfriar
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Logo, antes deste café esfriar,
Eu preciso dizer algo!
 
Qualquer coisa que faça
Com que eu me sinta bem!
Tão zen!
 
Algo que não seja
Uma mentira qualquer!
Dessas que a gente inventa
Tão de repente,
Só pra ter o que dizer!
 
Logo, antes deste café esfriar,
Eu preciso dizer algo!
 
Você é capaz de ficar em silêncio diante de uma afronta?
Você consegue ficar inerte, como uma estátua,
Enquanto recebe algumas frases duras?
Qual é a sua reação quando você recebe palavras árduas?
 
Quantas maldades o seu coração aguenta
Sem se magoar?
Quantas maldades o seu coração aguenta
Sem se alterar?
 
Você se lembra qual foi a última vez
Em que cometeu algum tipo de vingança?
 
Ainda existem os corações que exalam
O perfume da verdadeira bondade
E possuem uma intensa doçura?
Por onde anda a candura?
 
Passa o tempo
E se você cair,
Alguém vai se sentir muito feliz!
Tem gente, que pro seu tombo,
Pede bis!
 
Passa o tempo
E as boas essências
Estão se extinguindo!
Estão partindo!
 
Neste paraíso,
Bocas teimam em insultar!
Olhos querem amaldiçoar!
Certas mãos não sabem,
Que infernizando uma vida,
Estão diminuindo os seus dias de vida!
 

  
*****Ocupações!*****
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Eu tenho apenas trinta minutos...
 
Pra excluir um vírus da memória do meu sistema!
Pra compor mais um poema!
Pra desinstalar dez complementos do meu navegador!
Pra acertar a BIOS de um outro computador!
 
Pra fazer o download de sete softwares crackeados!
Pra recuperar alguns arquivos apagados!
Pra instalar um jogo de guerra!
Pra ler o que está acontecendo no planeta terra!
Pra corrigir vinte questões escolares!
Pra formatar dois celulares!
 
Pra configurar uma placa de rede! 
Pra atualizar o firmware de um modem ADSL!
Pra instalar um antivírus num notebook!
Pra otimizar um desktop!
 
Eu tenho apenas trinta minutos 
E eu não posso errar! 
Eu não posso me desesperar!
Eu não posso perder a concentração!
Que horas são?
 
Quanto tempo me resta?
Onde  está o CD?
Onde foi parar a chave?
 
Quem me chama?
Alguém me diz que um computador
É uma máquina capaz de armazenar,
De processar e de recuperar dados!
 
Preciso fazer outro backup!
Tenho que fazer outra update!
 
Minha menor unidade de informação
Está exausta!
 
Os parafusos?
Não estão aqui!
Será que estão ali?
 
Agora eu tenho apenas dois minutos...
Pra testar as minhas configurações,
Organizar o meu laboratório
E fazer um relatório!
 
TI=Lógica+Paciência+Persistência 

 
*****Se eu Me Aproximo de Ti!*****
*****(Claudionor Araújo da Silva)*****
 
Se eu me aproximo de ti,
Eu não quero colher algumas gotas de orvalho, 
Que subitamente
Resolvem se despencar
Dessas suas lindas pétalas!
 
Se eu me aproximo de ti,
Eu não quero ouvir aquelas mesmas canções,
Que quase todas as flores já cantaram!
Já aplaudiram!
 
Se eu me aproximo de ti,
Eu não tenho a intenção de me privilegiar
Com esse seu perfume,
Que provoca alvoroço
Até mesmo nos passarinhos,
Que por muitos, 
São julgados como incomuns!
 
Se eu me aproximo de ti,
Eu não tenho a intenção de saber
O que o toque da sua suavidade
Pode ocasionar!
 
Se eu me aproximar de ti,
Com certeza eu vou saber
Se o seu som fere
Ou acalenta!
 
Eu vou ficar feliz
Se eu me aproximar de ti
E de repente eu ouvir:
"- Eu venho de um jardim
Onde se cultiva o valor
Da pureza, da paz
E da gentileza!"
 
Mas se eu me aproximar de ti 
E for obrigado a usar
As mesmas armas de guerra,
Tão costumeiras
Nesses meus dias de desapegos,
Juro por Deus,
Que pra cada espinho seu
Que eu receber,
O veneno da minha lança de vingança,
Tu irás beber!
 
Se eu me aproximo de ti,
Na palma da minha mão
Eu tenho, definitivamente,
A sua essência!
 
 
 

   
*****Aquele Dia!*****
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Naquele dia
A sorte me presenteou!
A alegria vigorou!
 
Aquele dia
Foi cheio de paz!
Teve tudo aquilo que satisfaz!
Teve bons olhares!
Foi um dia feliz!
Foi o dia que eu sempre quis!
 
Naquele dia
O poeta, mil versos, quase fez!
 
Sinceramente,
A inspiração fluía naturalmente!
 
Naquele dia
Não tinha graça
Ler apenas um livro!
Qualquer poema a mais era lucro!
 
Naquele dia
Foram compostas muito mais
Que cem canções!
Aquele dia 
Foi um dia de muitas emoções!
 
 
Bom mesmo foi ouvir alguém dizer:
"- Em meus papéis já existem mais de trinta
Canções românticas!
Eu tenho outras linguagens poéticas!"
 
Um dia em que o brilho das frases
Encantou a todos!
Não tivemos tropeços!
 
Naquele dia
Um passarinho amarelo e lilás
Não queria ir embora!
 
Passarinho subia!
Passarinho descia!
 
Alguém chamava
O passarinho travesso,
Que estava em seu ninho!
Mas pra que incomodar
Quem está tão alegre?
Ele é tão mansinho!
Ele é puro carinho!
 
Naquele dia
A modéstia reinou!
A simpatia brilhou!
 
Que sensação!
Dedilhar um violão é muito bom!
Principalmente quando se tem
Um amor de verão
Em mais uma canção!
 

 
 
*****Esses Amores!*****
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Meu amor Ágape 
Não tem malícia
E nem tem interesse pessoal!
Que alto-astral!
 
Meu amor Philos
É fraternal, 
De muita amizade
E sinceridade!
 
Um amor Eros
É muito carnal!
Tem a força da atração física!
Que mundo animal!
 
Existe amor Sensual! 
Amor Bonito!
Amor Romântico!
Amor Verdadeiro!
Amor de corpo e alma!
Amor que acalma!
 
Chega assim
Tão de repente
E não quer ir embora!
Começa num olhar, 
Mas pode virar paixão
E terminar em ódio,
A qualquer hora!
 
Sinceramente,
Esses amores acreditam
Que todo amor dura eternamente!
 
Ele diz:
"- Eu te amo!"
Ela diz:
"- Você é tudo de bom! Eu te chamo!"
 
Amores que sangram!
Esse amor
Que desconhece um outro amor!
Esses amores sempre se enganam?
 

 
*O Fotógrafo
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Good afternoon!
I'm a capturer souls!
I will know if you can be part of my album,
After a few flashes!
 
Eu vejo
Que o seu sorriso esconde um desejo!
 
Tu ainda amas aquele alguém
Que atualmente
Vem desfrutando do sabor de outra boca!
Não fiques louca!
 
Constantemente
Eu vejo as suas mãos tocarem
Esse seu cabelo!
Quanto zelo!
 
O seu coração ferido implora por conforto!
Abandone qualquer caminho torto!
 
Os olhos que tu buscas
São aqueles que te levam por caminhos
Onde a aventura não pode faltar!
Onde a alegria tem que durar!
 
Eu juro!
O seu andar me diz
Que os erros do seu passado
Estarão presentes no seu futuro!
 
 
A sua simpatia é contagiante!
O seu olhar é radiante!
 
Enfim...
Por que alguém abandona
Uma flor tão doce assim?
 
Se as tardes ainda pedem
Lágrimas de romantismo
E de sentimentalismo, 
Então
 Todo colibri
Que não aprendeu a viver na solidão,
Nunca deve perecer!
Sofrer!
  
Toda flor
Que tem em seu brilho
Um toque especial de ternura,
Não pode ter o coração dilacerado
Pelo desprezo!
Eu, por isso, prezo!
 
In this album of beautiful images,
Your seat is reserved!
 

  
*****Esse Coração!*****
(Claudionor Araújo da Silva)
  
Esse coração lutou
Pra sempre sorrir,
Mas o ódio
De repente chegou
E não quis ir embora!
E agora a felicidade demora!
 
Esse coração já foi feliz,
Mas hoje já se acostumou
Com a dor, com a angústia e o sofrimento!
Quanto tormento!
 
Esse coração nem pensa
Em tomar certos rumos,
Porque já aprendeu
Que as lágrimas estão à sua espera!
Esse coração tem fé na sua cura!
 
É um coração aflito!
Sempre carente de paz! 
Com o passar do tempo
Foi se transformando num reino de desespero!
Dias melhores pra esse coração,
Eu espero!
 
Eu aposto,
Que numa tentativa inútil,
Esse coração se cala
Porque quer aliviar o medo
E o desgosto!
 
Coração que desconhece
O lado bom da vida!
Coração que é ferido
Por algum olhar fingido! 
Tão desumano!
Tão ingrato!
Tão desaforado!
 
Coração que se contenta
Em viver mendigando
Um pouco de carinho!
Alguns momentos de prazer
Em seu ninho!
  
Ah! Eu posso sentir
Que esse coração quer colo, 
Mas não sabe como pedir!
 
Esse coração quer amar, 
Mas não quer estar no caminho
Dos corações que se amam!
Dos corações que se completam!
  

 
 
*****O Seu Melhor Amigo!*****
(Claudionor Araújo da Silva)
  
Que saudade daquele dia
Em que eu te vi
Naquela festa agitada! 
Você estava esbanjando charme e carisma,
Mas estava um pouco assustada! 
 
Que saudade daquele olhar
Que dizia estar à procura
De alguém que soubesse
Compreender a sua vida,
Entender o seu passado
E melhorar o seu futuro!
Talvez alguém que estivesse
"Encima de um muro"!
 
Quando uma estrela,
Por um motivo qualquer
Inibe o seu brilho,
O céu põe-se a chorar,
Pois não se sente conformado
Ao ver que lá num cantinho, 
Algo que lhe pertence
Sofre com o desamor,
Com a angústia e com o tédio!
Que sacrilégio!
 
Você disse assim: 
"- Eu Preciso do vento
Que afaste de mim a escuridão
Que essas nuvens trouxeram!"
 
Eu assim te falei:
"- Eu sou um passarinho
Que muito em breve
Retornará ao seu ninho!
Pouquíssimas são
As viagens que eu faço
E faz parte da minha missão,
Afastar os males que corrompem
Os corações que merecem
O abraço da felicidade! 
Quando você beber
Das minhas gotas que curam,
A sua força vai estar revigorada! 
De repente irás sentir a louca vontade
De estar ao meu lado,
Mas eu só vou poder ser
O Seu Melhor Amigo!"
 

 
 
*Traições!
(Claudionor Araújo da Silva)

Se os carinhos
Há muito tempo se repetem,
Pra variar:
Traição!
Uma outra sensação!

Pra chamar atenção:
Traição!

Traição
Causada por uma carência!
Isso é inteligência?

Uma traição por vingança!
Isso é pujança?

Pra trair por impulso
É só firmar o pulso?

Por causa daquele relacionamento distante:
A oportunidade de trair!
Um novo amor está por vir?

Quando a traição é autoafirmar!
Que preço vai custar?

Pela vontade de fazer o que é proibido:
Traição!
Outra emoção!

Por curiosidade:
Traição!
A melhor diversão?
 

 
 
*O MESTRE
(Claudionor Araújo da Silva)

Naquele dia
Nada me consolava!
A tristeza me dominava
E o meu desejo era de sumir de vez
Desse mundo tão cheio dessas intrigas,
Que muitas vezes são causadas pela inveja,
Que deixa o ódio predominando,
Até mesmo,
Por toda a vida!

Mas o anjo da paz assim me disse:
"- Vem comigo! A energia e o bom senso
Agora tu receberás, para que possas cumprir
Mais um compromisso dessa sua vida de desafios especiais"!

O sol quente deu lugar
A um céu nublado e à brisa fresca!

Depois de uma longa caminhada,
Lá estava ele,
À sombra do antigo pé de cedro!

Essas foram as palavras do MESTRE:

"- Good afternoon, poet's apprentice!
Tens o tesouro que todo escarnecedor deseja!
Esses vermes, primeiro, humilham!
Depois apresentam os frutos
Das árvores que você plantou
E dizem que o alimento, provém dos campos deles!
Existe perfume sedutor
Numa lagoa de carniça?
Eis aqui o cálice da força!
Quando essa bebida correr em suas veias,
Começarás a dilacerar todo tipo de maldade
E a sorte, será a sua companheira inseparável!
Agora, vá!
Não se esqueça, de todos os dias,
Ser a gota da sapiência"!

Hoje?
Sou tão sagaz!
Quando algo vale a pena: Sou bom!
Quando existe escárnio: Sou moderado!
  
 

 
 
 
*Esses Lábios
(Claudionor Araújo da Silva)
  
Esses lábios! 
Tão sábios!
 
Lábios que falam  das decepções,
Presentes em tantas canções!
Lábios que sonham com amores proibidos!
Tão destemidos!
Lábios que mostram felicidade fingida!
Lábios de vida sofrida!
Lábios que escondem segredos importantes!
Tão interessantes!
 
Esses lábios! 
Tão sábios!
  
Lábios que quase choram
Quando ouvem o nome
Daquele alguém que muito marcou
A sua vida de encontros
E de desencontros!
Vida de muitos enganos!
  
Lábios que leem,
Tão desesperadamente,
Na madrugada gelada,
Um antigo poema
Que diz que um jasmim,
Sempre guarda a essência
Que deixa os amantes
Bem mais apaixonados!
Tão cheios de querer!
Tão cheios de poder!
Perfeitos amantes!
Amadas amantes!
 
Esses lábios!
Tão sábios!
 
Lábios que temem a palavra amor,
Por causa de alguma dor!
 
Lábios que acalentam corações solitários!
Lábios da fé!
Lábios solidários!
 
Lábios?
 
Às vezes dizem: 
"- Você? Jamais! 
- Não volto atrás"!
 
Às vezes murmuram:
"- Te quero!
- Te espero"!
  
Esses lábios!
Tão sábios!
  
 

 
 
 
*SAUDADE
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Que saudade é essa
Se a vida é melhor 
Quando estamos separados?
 
De repente
Essa saudade é só minha!
 
O que eu faço
Pra não ser consumido por inteiro
Por essa saudade?
  
Mais que nostalgia, 
Essa saudade magoa!
Dói em mim!
 
Quisera eu que fosse
Saudade resolvida!
Saudade fácil de matar!
 
Poxa!
Se eu não tivesse dito certas palavras...
 
 
 

 
  
*FELICIDADE
(Claudionor Araújo da Silva)
 
A felicidade?
Está no seu sorriso
Antes do nascer do sol!
Vive no brilho de um girassol!
 
Vive estampada nas caras 
Tão cheias de rugas ou
Com algumas verrugas!
 
Pode ter certeza:
A felicidade anda de mãos dadas 
Com a gentileza!
 
A felicidade?
 
Pra sobreviver
Precisa te ver entre seres queridos!
Esses seus amigos!
 
Quer a sua cabeça erguida!
Pede força de vontade!
  
Nunca deixe a infelicidade
Tomar conta de ti!
Que seja sempre assim!
 
Eu juro!
A felicidade depende do equilíbrio
Entre o passado, o presente e o futuro!
 
Onde está a felicidade?
No dinheiro?
 
De repente
Nem sabemos
Que somos tão felizes!
  
Ser feliz
É, a cada segundo,
Enxergar o lado bom
Dos instantes vividos!
 
Pra ser feliz, 
Essencialmente,
É bom aprender a transmitir felicidade!
 
A minha!
A sua! 
A nossa felicidade
Tem “coisas em comum”!
 
 
 

 
 
*SORRISOS
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Um Sorriso Aberto
Dessa sincera felicidade!
A alegria da cidade!
 
Tu inspiras PAZ
Com esse seu Sorriso Relaxante!
Apaixonante!
 
Numa elegância:
Um Sorriso Discreto!
Quanto afeto!
 
Quanta generosidade!
Muitos Sorrisos Largos!
Que saiam da minha alma
Todos os amargos!
 
Se tu me olhas assim
Com esse seu Sorriso Ousado:
Aprisiono-me em seus braços!
Nem me importo com os embaraços!
 
Nunca se esqueça 
De constantemente
Sorrir!
O melhor ainda está por vir!
 
Sem o seu sorriso
A vida perde o sentido!
Fica sem conteúdo!
 
Você:
Luz tão passageira,
Que num Sorriso Verdadeiro,
Não consegue esconder
Que nesse seu coração vive uma paixão!
Ama, coração!
 
Sorriso traz felicidade?
Se sorrir faz bem,
Então sempre sorria!
Vamos atrair cordialidade!
 

 
 
 
*ESSES OLHARES
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Nesses seus olhos:
Decepção?
Queres tu
Desistir de viver?
Esqueça esse querer!
 
Nesses seus olhos:
Compreensão?
Olhos de sábio!
Quanta gratidão!
 
Um olhar perdido?
Pensamentos que torturam!
Que se embaraçam!
 
Um olhar:
Pode ser
Sem proveito!
Coisa que eu rejeito!
 
Olhar de criança:
Olhar da imaginação!
Qual vai ser a sua missão?
 
Olho pra alguém
Que me diz
Num olhar,
Que deseja
Ardentemente
Ser bem mais feliz!
É tudo o que você sempre quis?
 
Olho prum sujeito
De predicado duvidoso
E seus olhos me dizem:
"- Somos sempre vorazes!
Tão irracionais, já fomos!
Tantos danos, já causamos"!
 
Olho pra alguém
Que deseja um amor 
Cheio de calor,
Nem perfeito,
Nem tão tosco!
Que seja real!
Talvez imortal!
Que tão intensamente
Viva a sua realidade!
Que seja só seu com toda a espontaneidade!
 
Esses olhares:
Se iludem com tantos amores!
 
 
 

 
 
 
*A MINHA FÃ
(Claudionor Araújo da Silva)
  
A minha fã? 
Esbanja delicadeza e perseverança!
Tem muita confiança!
 
Já trocou a lona e o couro,
Por algodão e cetim!
Sai por aí exibindo a foto de um querubim!
 
A minha fã?
Um dia desses me disse:
 
"- Sentimentos encantam o meu viver!
Sou assim desde o meu nascer"!
 
A flexibilidade,
A minha fã
Alia à força
Em seus movimentos decorados!
Muito bem ensaiados!
 
Já se acostumou com essas dores
Que nunca passam!
Que algumas feridas,
Deixam!
 
A minha fã? 
Dedica a sua vida
Pra chegar à perfeição!
Tem muita emoção!
 
Tão cheia de graça,
Gira no gelo
Ou rodopia no vinílico,
Sem deixar cair o brinco!
 
A minha fã?
Adora o contemporâneo,
Ama o romântico
E se deslumbra
Com o clássico!
  
Eu sou fascinado por essa fã,
Sinceramente!
Ela tem um sorriso atraente!
 
O seu corpo é delgado!
Como uma pluma, flutua!
Às vezes
Ela fica apreciando a lua!
 
A minha fã?
É uma pessoa Cristã!
 
 

 
 
 
 
*FUI
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Se eu fui?
Sim!
Lá, eu fui!
 
Fui
Pra provar pra mim mesmo,
Que realmente
A sorte é a minha companheira inseparável!
Amável!
 
Fui pra ver a decepção
Nos olhos da mentira!
Da incompreensão!
 
Fui pra ver a festa dos escarnecedores
E o brilho da inveja
Estampado na face
De quem,
Que por pura insensatez,
Tantos erros cometeu!
Tantas coisas prometeu!
 
Fui
E logo que cheguei
Tive que me desviar
Do tapa da maldade!
Do soco da falsidade!
 
Fui,
Mas nenhum perfume me cativou!
Me agradou!
 
Toda palavra foi cruel!
Todo sorriso foi falso!
Até as canções feriram!
Tudo tinha sabor de fel!
 
Fui
E saí no tempo certo!
Pacientemente eu esperei o meu momento!
 
Pra alguns:
Sou tão tolo!
 
Pra outros:
Não tão bobo, assim!
 
Pra poucos:
Algo bom,
Posso oferecer!
Posso ter!
 
Fui pra me certificar
Que os tolos cavam as suas covas
E pensam que elas são
Para os fracos, 
As suas armadilhas!
 
Porém,
O destino quer,
Muitas vezes,
Ver a vitória da inocência!
Da sapiência!
 
Receberás tu,
Todos os troféus
Que o livro da história da sua vida
Lhe oferece,
Se souberes brincar com a sorte!
Se souberes ser mais forte!
 

 
 
*ONDE ESTÃO AS MINHAS FLORES?
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Onde estão as minhas flores?
Preciso ouvir mais desses rumores!
Um dia desses
Me veio, tão de repente, 
A ideia de encontrá-las!
De acalentá-las!
 
No último jardim
De uma dessas ruas
Ainda sem asfalto,
Com areia em abundância
E cheia de declarações de amor,
Eu acho que eu encontro esse sabor!
 
Minhas flores?
Não!
Elas não são iguais às suas!  
São charmosas, naturalmente!
Meigas, essencialmente!
Verdadeiras, indiscutivelmente
E cheias de canduras!
 
Minhas flores?
Nelas eu confio!
Elas são a ambição de muitos amores!
 
Minhas flores escrevem frases e poemas,
Sem a intenção de ferir
Ou de se exibir!
 
Deixam no ar o perfume do capricho
E a fumaça, que indubitavelmente,
É sinal de boa qualidade!
De felicidade!
 
Cedo demais, adormecem!
Antes do primeiro raio de sol, acordam
E rezam!
 
Minhas flores evitam esses vendavais
Que trazem a dor de um desamor!
 
São flores raras!
São flores prendadas
E abençoadas!
 
Minhas flores?
Não foram plantadas
Por um demente,
Num de repente!
 
Um jasmim bem-intencionado
Se apaixonou pela beleza de uma rosa vermelha
E juntos, criaram o jardim das minhas flores
Com muitos primores!
 
Minhas flores?
Ah! Essas flores,
Do meu elogio,
São merecedoras!
Merecem prestígio!
 

 
 
 
*CORAÇÃO 
(Claudionor Araújo da Silva)
 
 
Coração que queima
Nas noites de lua cheia!
 
Coração que sofre por amar demais
Quem muito odeia!
 
Coração que teme a solidão!
Coração que viveu desilusão!
 
Coração gelado!
Coração desaforado!
 
Coração sem vida!
Coração esquecido!
Coração reprimido!
Coração teimoso!
Coração acelerado!
 
Coração ferido
Que agora chora
E de tanto chorar,
Já causa espanto!
 
Haja coração
Pra suportar tanto 
Descontentamento!
 
Coração fingido!
Coração angustiado!
 
Coração que se perde
Em busca da paz!
Coração que deseja
Algo mais!
 
Não sei se esse coração
Vai sobreviver a essa tempestade!
Quanta infelicidade!
 
Coração inquieto!
Coração sem alento!
Coração selvagem
Ou cheio de bobagem!
 
Coração?
Coração bandido
E
Tão vagabundo!
 
Acredito nesse coração
Que nunca deixa apagar a luz da ternura!
Que sempre deixa saudade!
Que é sinônimo de felicidade!
Que tira toda a angústia da alma!
Coração que acalma!
 
Coração que usa os espinhos
Pra fazer acupuntura na alma!
 
Coração que chama!
Coração que clama!
 
Um coração em um milhão:
Um brilho especial na imensidão!
 
 
 

 
 
*NOSSOS OLHOS
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Pros seus olhos:
Uma flor?
Pros meus olhos:
Mais um espinho!
Vejo a dor!
 
Pros seus olhos:
Um dia lindo?
Pros meus olhos:
Mais um desafio!
Outro suor caindo!
 
Pros seus olhos:
Só cortesias?
Pros meus olhos:
Vontades encobertas!
 
Pros seus olhos:
Só harmonia?
Pros meus olhos:
Algum mal pode haver!
Tenho que me conter!
 
Pros seus olhos: 
Sonho realizado?
Pros meus olhos:
Honestidade ou não!
Tudo pode ter acontecido!
 
Pros seus olhos:
Uma palavra? 
Pros meus olhos:
Um objetivo!
A rima de um poema!
 
Esses olhos?
Tudo bem?
 
 
Esses olhos
Que agora
Eu vejo
Quase sempre
Escondem segredos!
 
 
Noutros olhos:
Uma armadilha
Ou pura maravilha! 
 
Nos seus olhos
Ainda há inocência,
Mas pode haver arrogância!
 
Os meus olhos?
Olhos espertos!
Olhos abertos!
 

 
 
 
*ESSES CABELOS
(Claudionor Araújo da Silva)
 
Rubro?
Em mais um cabelo!
Quanto zelo!
 
Quanta atitude!
Vejo determinação!
 A cor da paixão!
 
Beijo do sol:
A cor do ouro!
Brilho de girassol!
 
Essa força?
A inteligência que vem
Do escuro desse cabelo!
 
Um penteado singelo!
 
Que privilégio!
Um cochilo!
Uma rosa em seu cabelo!
 
Mais charme!
Outra vez: Esse sorriso discreto!
O dia está completo!
 
Desfecho?
Morango em seu cabelo
E algum apetrecho!
 
Eu sei o segredo
Das ondas de um cabelo
Ondulado!
 
Cabelo encaracolado
Que lembra um amor do passado!
 
Cabelos soltos
Que a garoa
Molhou
E o namorado aprovou! 
 
Meio preso,
O seu cabelo te deixa
Bem mais
Especial!
Mostre o seu alto-astral!
 
Um beijo no laço
Desses seus cabelos!
Presilha de diamante!
Coisa fascinante!
 
Cabelos que eu afaguei:
Versos que eu apaguei!
 
O ano inteiro:
Mais vida
Em seu cabelo!
Projeto de cabeleireiro!
 

 
 
 
 
*BEIJOS!
(Claudionor Araújo da Silva)
 
 
Tu mereces
O meu conceito:
Um beijo em sua mão!
 
Beijo?
 
Hoje? Tão quente! 
Amanhã?
Talvez muito gelado!
 
Beijo que arrepia!
Beijo apaixonado!
 
Um beijo em seu olhar!
 
Beijo demorado!
Beijo roubado!
 
Naquele dia:
Aquele beijo!
 
Beijo?
 
No cinema,
No baile ou na praia!
 
Na rua silenciosa e escura:
Um beijo escondido!
 
Beijo amargo! 
 
Um beijo
No canto dessa sua boca!
 
Beijo?
 
Aquele que eu perdi!
O beijo que eu esqueci!
 
O beijo desejável!
Um beijo inesquecível!
 
Pra você:
Um beijo de amigo!
Que a sorte esteja contigo!
 
 
 

 
 
 
 
*O MEU RECADO
(Claudionor Araújo da Silva)
 
O meu recado?
Quase sempre tem doçura!
Algumas vezes fere! 
Muitas vezes te impressiona!
  
O meu recado é simples!
 
Uma palavra se encaixa aqui,
Outra ali e de repente
Já é hora de terminar!
 
O meu recado esbanja elogios!
 
Tem o simbolismo das flores,
Das cartas de baralho,
Dos animais, dos talheres, das casas,
Das cores e das horas!
 
O meu recado?
  
Esquece a ira, 
As ambições e os erros! 
Dá valor aos sorrisos,
Ao bom trato e à beleza!
 
O meu recado?
  
Quem ler
Pode não entender!
Pode sorrir, ignorar
Ou se empolgar!
 
Falando sério...
 
O meu recado
Tão belo
Pode não ser!
 
É uma mesclagem de boa vontade,
Coragem, sabedoria e amor!
 
Sacrifício?
Não! 
Já virou um vício!
 

 
FIM!