titio.info

Translate to English Translate to Spanish Translate to French Translate to German Google-Translate-Portuguese to Italian Translate to Russian Translate to Chinese Translate to Japanese
ONLINE
1






 

 

 

 *****

 SEMPRE

EM CONSTANTE

ATUALIZAÇÃO!

*****
(BRASIL)

(CAMPO GRANDE)

(MS)

*****
COPYRIGHT

BY

CLAUDIONOR

ARAÚJO

DA

SILVA

Românticas001

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

01- VOCÊ

(Claudionor Araújo da Silva)

 

Suave

Como a poesia!

Doçura

Que seduz e encanta!

Meiguice

Que apaixona!

Estar ao seu lado,

É viver a eterna felicidade!

Você:

Sonho encantado!

És AMOR!

As flores insistem em querer te beijar.

Tens o brilho da pérola!

Vejo em seus olhos

A pureza do orvalho!

Você:

Perfeição de diamante!

Inspiração dos poetas!

 


 

 

 

02- TE ESPERO

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

Te espero!

Num amanhecer encantado;

Nas águas de um lago mágico;

Em todo pôr do sol;

A cada arco-íris que surge.

Te espero!

Quando a brisa das noites de verão,

Murmura o seu nome;

Quando as estrelas desenham a sua face

E a areia da praia escreve: AMOR!

Te espero!

Nas chuvas de dezembro;

Nas tardes perfumadas pelos jasmins;

Em toda primavera;

Em todo fim de tarde.

Te espero!

À sombra dos laranjais;

No voo do albatroz;

Nas noites enluaradas;

Por toda a minha vida.

 

 


 

 

 

03- COMPLETAMENTE APAIXONADO

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

Então eu choro,

 

Porque te amo!

 

Te recordo...

 

Quando cai a lágrima do jasmim!

 

No sorriso da camélia vermelha!

 

Quando os cravos brancos se apaixonam!

 

Então eu choro,

 

Porque te amo!

 

Te recordo...

 

Nas manhãs de primavera!

 

No orvalho do outono!

 

Nas tardes de neblina!

 

Então eu choro,

 

Porque te amo!

 

Te sinto...

 

No canto do rouxinol!

 

Na chuva repentina!

 

No grito da gaivota!

 

Então eu choro,

 

Porque te amo!

 

Te sinto...

 

Na flor da laranjeira!

 

Na beleza do arco-íris!

 

Na solidão da noite!

 

Então eu choro,

 

Porque te amo!

 

Te recordo!

 

Te sinto!

 

Nunca te esqueço!

 

 


 

 

 

 

 

 

04- A VEIA DO AMOR

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

Vivo!

 

Dos instantes em que o vento assanha os seus cabelos!

 

Vivo!

 

Do toque suave das suas mãos!

 

Vivo!

 

Do desenhar do seu caminhar!

 

Vivo!

 

Da doçura das suas palavras!

 

Vivo!

 

Do brilho dos seus olhos!

 

Vivo!

 

Da meiguice do seu sorriso!

 

Adormeço!

 

Sentindo a sua respiração!

 

Enlouqueço!

 

Se não te vejo!

 

Seu rosto

 

Silencia e faz parar!

 

Amo!

 

Ter você do meu lado!

 

Acredito:

 

És tu, o AMOR SUBLIME!

 

TE AMO!

 

 

 

 


 

 

 05- VOCÊ: MINHA INSPIRAÇÃO!

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

Te vejo...

 

Numa TARDE de PRIMAVERA,

 

Bailar entre BORBOLETAS!

 

Num DOMINGO de ABRIL,

 

Ser beijada por um colibri!

 

Numa CHUVA de VERÃO,

 

Adormecer na relva!

 

Quero Sentir...

 

Numa MANHÃ de INVERNO,

 

Seu perfume sedutor!

 

Numa NOITE de OUTONO,

 

Suas mãos a me acariciar!

 

Sofro...

 

Se não vejo o seu SORRISO!

 

Se não escuto a sua VOZ!

 

Choro!

 

Por sentir a sua FALTA!

 

Por não ter o seu AMOR!

 

TE AMO!

 

 

 


 

 

 

 

06- EU E VOCÊ

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

Vem!

 

Eu preciso de você...

 

O brilho dos seus olhos me faz viver!

 

O seu sorriso me enlouquece!

 

A sua voz me acalma!

 

Vem!

 

Você é a alegria!

 

Sem você, as rosas choram!

 

Você é tudo de bom!

 

Você é especial!

 

Num instante,

 

Somos almas gêmeas,

 

Frente a frente!

 

Corações colados,

 

Sintonizados numa mesma emoção!

 

EU e VOCÊ!

 

 


 

 

 

 

 

 

 

07- PARABÉNS AO AMOR!

(Claudionor Araújo da Silva)

 

                         

 

Assim...

 

Tão pertos!

 

Caminhando num arco-íris!

 

Voando com os colibris!

 

Cantando com os rouxinóis!

 

Beijando as flores!

 

Assim...

 

Felizes!

 

Um beijo na lua!

 

Um abraço no sol!

 

Um encontro no paraíso!

 

Um poema numa estrela!

 

Bom dia, céu!

 

Boa tarde, chuva!

 

Boa noite, vento!

 

PARABÉNS A VIDA!

 

A VOCÊ!

 

A NÓS!

 

PARABÉNS AO AMOR!

 

 


 

 

08- IMORTAL!

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

Seu Nome...

 

Eco das colinas!

 

Murmúrio do vento!

 

Pergaminho das rosas!

 

Brilho da lua!

 

Tesouro do mar!

 

Estrela do amor!

 

Conto de fada!

 

Emoção!

 

Ternura!

 

Sonho de verão!

 

Inspiração dos poetas!

 

LENDA IMORTAL!

 


 

 

09- TENTATIVAS

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

Tentei te esquecer...

 

E não dominei as lágrimas!

 

Tentei te esquecer...

 

Mas lembrei da nossa canção!

 

Tentei te esquecer...

 

Mas a areia escreveu o seu nome!

 

Tentei te esquecer...

 

Mas senti o sabor dos seus lábios!

 

Tentei te esquecer...

 

Mas, numa nuvem, vi a sua IMAGEM!

 

Tentei te esquecer...

 

Mas a tarde trouxe o seu perfume!

 

Tentei te esquecer...

 

Mas num poema, te encontrei!

 

Tentei te esquecer...

 

Mas você apareceu nos meus sonhos!

 

Tento te esquecer...

 

Mas alguém me lembra você!

 

Tento te esquecer...

 

Mas à noite, sinto a sua falta!

 

Tento te esquecer...

 

Mas vejo VOCÊ em TUDO!

 

VOCÊ É AMOR!

 

 

 


 

 

 

10- EU TE RECORDO

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

Então recordo...

 

Seu sorriso,

 

Naquela manhã de neblina!

 

Então recordo...

 

Sua poesia,

 

Naquela noite fria!

 

Então recordo...

 

Sua canção...

 

Naquela tarde chuvosa!

 

Então recordo...

 

Seu caminhar,

 

Naquele sol de outono!

 

Então recordo...

 

Seus cabelos,

 

Naquele inverno gelado!

 

Pássaro ferido!

 

Leão sem rugido!

 

Cão sem dono!

 

As lágrimas de um coração que sangra,

 

Regam as flores, do triste jardim

 

Da minha alma!

 

Como a águia que vê, o filhote morrer,

 

No primeiro voo,

 

Embrenhado nas raízes da tristeza,

 

Me alimento de recordações!

 


 

 

11- AMOR ETERNO

(Claudionor Araújo da Silva)

 

As tardes sabem...

Dos muitos beijos,

Nos últimos raios de sol.

Os ventos sabem...

De todas as fragrâncias,

Das muitas flores ofertadas.

A chuva sabe...

Dos muitos abraços,

Num céu de verão.

Os bosques sabem...

Das bocas ofegantes,

Na relva molhada.

A lua sabe...

Dos muitos poemas,

Nos mares de amor.

As colinas sabem...

Existe um só eco:

O SEU NOME E O MEU.

E agora, sabemos...

O nosso AMOR

Será ETERNO!

 


 

 

12- BATE CORAÇÃO

(Claudionor Araújo da Silva)

 

Bate coração!

Diante de ti, os ipês se alegram,

Os pardais se apaixonam

E os lobos se calam!

Vejo rosas sorrirem!

Ouço a canção que vem dos bosques!

Vejo o sol se aproximar

E a lua chorar!

Basta o seu sorriso,

Pro céu se transformar

E os anjos se encantarem!

No VALE DO AMOR,

A árvore da vida,

Cultivou a mais bela flor

E em cada pétala,

Gotejou o sabor da sua essência!

Bate coração!

 

 


 

 

13- OUTRA VEZ: VOCÊ!

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

Encontro seu sorriso,

 

Onde o vento faz a curva!

 

Sinto seu perfume,

 

Quando cai a chuva!

 

Ouço sua voz,

 

Quando vem o frio!

 

Te recordo...

 

No cantar dos pássaros!

 

A cada alvorecer!

 

Em todo anoitecer!

 

Te procuro...

 

Nas manhãs ensolaradas!

 

Nas tardes de céu lilás!

 

Nos domingos de outono!

 

Enquanto existirem as rosas,

 

Vou cultivar em mim,

 

A flor do amor,

 

Iluminada pelo brilho do seu olhar!

 

 


 

 

 

14- VEM

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

Vem...

 

Seu olhar é fascinante!

 

Seu sorriso me enlouquece!

 

Sua voz me acalma!

 

Vem...

 

Porque os beija-flores,

 

Necessitam do mel

 

Das rosas!

 

Suas mãos tem

 

A suavidade da seda!

 

Quando estamos

 

Frente a frente,

 

Nossos corações

 

Se aceleram!

 

 


 

 

15- FIM DE NOITE

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

Fim de noite...

 

Beijo a sua foto

E uma chuva de lágrimas,

Vem molhar o meu coração!

 

Sei que a brisa da noite,

Acaricia a sua face!

 

Enquanto dormes,

Sei que a lua,

Se aproxima de ti

E um ANJO

Afaga os seus cabelos!

 

No alvorecer,

O toque da FADA DO AMOR,

É o seu despertador

E a luz do sol é só sua!

 

Passam os verões do meu coração!

Passam os invernos da minha alma!

Ficam lembranças de PRIMAVERA!

Ficam as FOLHAS DE OUTONO!

 

Fica VOCÊ!

Não te esqueço!

 

 


 

 

16- CICATRIZES

(Claudionor Araújo da Silva)

 

Mesmo que o céu perca as estrelas

Mesmo que a lua se negue a clarear as noites

Mesmo que o sol fique sem brilho

Mesmo que morram todas as flores

Mesmo que sequem todos os mares

Mesmo que os pássaros percam as asas

 

Mesmo assim...

 

Jamais te esquecerei!

Existem as cicatrizes da tua presença.

 

No compasso de uma doce canção,

Subliminarmente, o seu coração bate!

 

 


 

 

 

17- VOCÊ: FLOR DAS FADAS

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

Sorriso inexplicável!

Voz tão serena!

Destino cândido!

 

Alma mágica!

 

 

Quando cantas,

O vento ecoa

Rouxinóis gorjeiam

 

Borboletas se alegram

Libélulas dançam

 

 

Enquanto dormes,

Tens o brilho da lua

Tens o seu nome escrito nas estrelas

Anjos beijam a sua face

E até as águas querem te desenhar

 

 

Quando acordas,

 

O universo diz: - Bom dia!

As nuvens desenham um coração

A brisa traz o perfume do jasmim

E o cravo beija a rosa

 

 

Se no verão o seu pranto rolar

O sol ficará sem brilho

Se no outono você se entristecer

Os campos vão perder as colheitas

Se no inverno você se calar

As chuvas vão te chamar

Se na primavera você não sorrir

As flores vão murchar

Os beija-flores vão se entristecer

E os bosques vão ficar sem vida!

 

 

Brindemos agora:

A felicidade!

 

Eternamente:

O amor e a vida!

 

 


 

 

 

18- VOCÊ: POR TODA A MINHA VIDA

(Claudionor Araújo da Silva)

 

Vieste com o brilho do girassol.

Nas palavras: Essência de violeta.

No ar: Perfume de margarida.

Nos gestos: Magia de dália rosada.

Belos poemas traduzem sua vida.

Soube me compreender.

Pôr do sol:

Perfume de jasmim;

Despedida;

Beijos enxugaram lágrimas.

Fomos capazes de transformar o dia.

Minha lembrança vai fazer você chorar.

Por toda a minha vida,

Jamais te esquecerei!

 

 


 

 

19- SETE LÁGRIMAS

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

Na primeira lágrima:

 

Seu perfume;

Sua voz;

Seu toque!

 

Na segunda lágrima:

 

Aquele beijo;

Aquele abraço;

Aquela poesia!

 

Na terceira lágrima:

 

Aquele domingo;

Aquela festa;

Aquele instante!

 

Na quarta lágrima:

 

Aquela canção;

Aquela primavera;

Aquela rosa!

 

Na quinta lágrima:

 

Aquela tarde;

Aquele pôr do sol;

Aquela praia!

 

Na sexta lágrima:

 

Aquela dança;

Aquele jardim;

Aquele sorriso!

 

Na sétima lágrima:

 

O adeus;

A dor;

As lembranças;

 

SEU NOME!

 

 


 

 

20- FIM DE INVERNO

(Claudionor Araújo da Silva)

 

Na janela vejo a última gota gelada.

Na lareira, a última brasa acesa.

Na rua, o último brilho do retrovisor embaçado.

Ao passar, o jovem tira a touca de cor mesclada.

Um passarinho já acena com a asa.

Alguém faz um gesto engraçado.

Um sol, mais que bem-vindo, é quase um prêmio.

O céu responde num anil mais puro.

Nuvens agora estão seguindo o rumo leste.

Mesmo que queiras partir; digo-te:

-Vás, sem nenhum receio.

Mesmo que queiras partir; digo-te:

-Vás, pois tens um coração duro.

Mesmo que queiras partir, digo-te:

-Vás, pois sois um brilho sem luz celeste.

Talvez fostes a melhor coisa que eu tive.

Talvez fostes o amanhecer mais colorido.

Mas sei que fostes o entardecer, o anoitecer e a dor.

Agora eu sei que o amor, em mim, ainda vive.

Os meus olhos teimam em derramar um pranto dolorido.

No FIM DE INVERNO, a última lágrima é de amor.

 

 


 

 

 

21- SE O OUTONO FALASSE...

(Claudionor Araújo da Silva)

 

Um vento acelerado insiste em não parar.

O sol avermelhado está na penumbra da neblina.

Pétalas de rosas se despedaçam pelo ar.

E ainda cai a chuva fina.

As folhas murmuram o seu nome?

Não sei se é minha loucura ou minha insensatez.

Só sei que a indiferença, aos poucos me consome.

Será que pensas em mim? Talvez...

Por que é que todo amor não dura eternamente?

Será que nunca vamos aprender a amar?

Até as flores choram amargamente.

Até o seu amor deixou de se entregar.

Num dia desses um sábio disse:

-Só serás realmente feliz, se souberes amar.

E o que é a felicidade?

Sonho de plebeu em noite estrelada e de luar,

Ou fruto da penitência de muitas desilusões

E de eterna sinceridade?

 


 

 

22- QUANDO PENSO...

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

Lembrei do passado; Sofri duas vezes.

Pensei em ser feliz!

Lembrei de você; Morri outra vez.

Pensei em nós dois!

Lembrei de bons momentos; Novamente sorri.

Pensei no amor!

Lembrei de gênios incompatíveis; Me vi em cinzas.

Pensei na dor!

Lembrei do som, do ar; Senti sabores.

Pensei nas emoções!

Lembrei da poesia; Quase chorei.

Pensei nas desilusões!

Lembrei de quem me fez mais forte;

Me senti mais leve.

Pensei nas flores!

Lembrei do nosso mundo; Fui às nuvens.

Pensei na diversidade das matizes!

LEMBREI...

QUANDO PENSO que agora,

do nosso amor, jamais esquecerei...

 

 


 

 

 

 

23- SEMPRE MAIS

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 Naquela tarde...

No último raio de sol

Nas últimas lágrimas das rosas

Na última folha que caiu

No sopro da última brisa

No último voo do albatroz

Nos últimos murmúrios das águas

No último verso da poesia

Um beijo,

Enxugou a última lágrima

Um sorriso,

Jurou amor eterno!

 


 

 

24- AMORES IMORTAIS

(Claudionor Araújo da Silva)

 

Noite de festa!

Ambientes requintados

Canções românticas

Vinhos e delícias

Ares de sedução

Flor das fadas

Olhos de mar

Pele de Maçã

Lábios de mel

Perfume de Jasmim

Doces palavras

Faces coladas

Almas gêmeas

ROMEU E JULIETA

Momentos marcantes!

 

 


 

 

 

 

25- NUMA TARDE QUALQUER

(Claudionor Araújo da Silva)

 

Vinha a tarde...

À primeira vista: Encanto, fantasia...

O céu e as estrelas.

 

O Tempo passando...

Tantos sorrisos...

Corações quase apaixonados!

 

Outra tarde...

Quase o amor!

 

Numa tarde...

A tempestade

A dor

O fim

 

Muitas tardes se passaram...

O céu está sempre escuro

As estrelas perderam o brilho

 

Choram as tardes.

Tardes de lembranças.

 

E agora é tão tarde...

 

É tarde demais.

 

 


 

 

 

 

26- CORAÇÃO SOFREDOR

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

Coração...

 

Atingido pela semente do amor!

 

Iluminado pela magia, que vem de você!

 

Prisioneiro dos seus beijos!

 

Dependente do seu ar!

 

 

 

Coração...

 

Sofre,

 

Mas entende que você,

 

Não pode estar aqui!

 

Ama,

 

Porque sabe que você existe!

 

 

 

Coração...

 

Jardim,

 

Que todos os dias,

 

Precisa ser regado!

 

Suplicante de seu amor!

 

 

 

 

 

Coração...

 

Sol

 

Que nunca vai embora!

 

Sobrevivente

 

De um MUNDO DE DOR!

 

 

 

CORAÇÃO SOFREDOR!

 

 

 


 

 

27- RIMA DE POETA

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

 

 

E esse AMOR?

 

 

 

 

 

 

 

Bom e ruim,

 

 

 

Que parte de noite

 

 

 

E nem se despede!

 

 

 

 

 

 

 

Deixa rastro

 

 

 

De SIM!

 

 

 

De riso, de dor!

 

 

 

E de NÃO!

 

 

 

 

 

 

 

E esse AMOR?

 

 

 

 

 

 

 

É mel

 

 

 

De outra boca!

 

 

 

 

 

 

 

Festa

 

 

 

De outra gente!

 

 

 

 

 

 

 

De ida e de volta!

 

 

 

 

 

 

 

DO ESCURO, UM SEGREDO!

 

 

 

DO POETA, A RIMA!

 

 

 

 

 

 

 

Esse AMOR é tudo!

 

 

 


 

 

 

 

28- UM POUCO MAIS DE VOCÊ

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

Um pouco mais de você!

 

Tão pertos,

 

Me alimento do seu perfume!

 

Do brilho desse olhar,

 

De AMOR!

 

 

 

Ah!

 

Essa pele!

 

Sei que o ANJO DO AMOR,

 

Buscou o teor da sua beleza,

 

Num reino secreto,

 

Onde os corações,

 

São eternamente APAIXONADOS!

 

 

 

Você:

 

Magia do AMOR!

 

Sorriso que seduz!

 

Luz que ilumina CORAÇÕES!

 

 

 

Morro,

 

Porque não podes estar aqui!

 

 

 

Vivo,

 

Por saber que pensas em MIM!

 

 

 

TE AMO!

 

 

 


 

 

 

 

29- QUERO TE ENCONTRAR

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

Quero te encontrar de novo!

 

 

 

Sua luz é ÚNICA!

 

Seu sorriso é sincero!

 

Seu charme é especial!

 

 

 

Quero te encontrar de novo!

 

 

 

Pra ouvir dos seus lábios,

 

A palavra AMOR!

 

Sentir a sua doçura!

 

Me envolver

 

Com a sua MAGIA!

 

 

 

Quero te encontrar de novo!

 

 

 

Porque o anjo do amor,

 

Ao tecer

 

A FLOR DA TERNURA,

 

Salpicou em suas pétalas,

 

O poder do seu CARISMA!

 

 

 

Quero te encontrar de novo!

 

 

 

Pra me alimentar do seu MEL!

 

Ouvir as batidas

 

Do seu coração;

 

Afagar os seus cabelos

 

E dizer:

 

TE AMO!

 

 

 

Quero te encontrar de novo!

 

 

 

Porque quero estar do seu lado,

 

Cada segundo que eu VIVER!

 

 

 

Porque VOCÊ

 

É minha PAZ!

 

 

 

Quero te encontrar de novo!

 

 

 


 

 

 

30- QUANDO EXISTE AMOR

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

E o universo

 

Conspirou

 

A nosso favor...

 

 

 

Quando nos olhamos,

 

Instantaneamente,

 

Nossas almas

 

Disseram SIM!

 

 

 

Queríamos

 

Nossos corpos

 

Mais próximos,

 

Mas a timidez

 

Não deixava!

 

 

 

E não resistimos...

 

 

 

Nossas palavras

 

Começaram

 

A compor

 

Uma poesia!

 

 

 

Decidimos,

 

Que deveríamos

 

Ficar a sós!

 

 

 

À sombra do ipê,

 

Ficamos a nos olhar

 

E beijos enxugaram

 

Lágrimas de AMOR!

 

 

 

Nascemos

 

UM para o OUTRO:

 

Foi a nossa descoberta,

 

Ao sairmos dali!

 

 

 

Naquele almoço,

 

As canções

 

Pediam mais beijos!

 

 

 

Naquela tarde,

 

Nossas brincadeiras

 

Terminavam

 

Num beijo!

 

Tínhamos que nos despedir,

 

Mas insistíamos em nos olhar!

 

 

 

Parado, ali fiquei,

 

Vendo você,

 

Que partindo,

 

Também me olhava!

 

 

 

Temos uma certeza:

 

Jamais

 

Nos esqueceremos!

 

 

 

APRENDEMOS

 

QUE O AMOR

 

É INDESCRITÍVEL!

 

 

 


 

 

 

 

31- DE REPENTE: O AMOR!

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ah, esse olhar não me engana!

 

Esses lábios pedem beijo!

 

Seu coração vive,

 

A impaciência dos amantes!

 

És flor, que precisa ser regada!

 

 

 

Te quero!

 

 

 

Porque vejo em seu sorriso,

 

Todo o romantismo, de um FIM DE TARDE,

 

DE INVERNO!

 

 

 

Porque seus cabelos,

 

Revelam um CHARME ESPECIAL!

 

 

 

Nesse corpo:

 

Toda a loucura de uma PAIXÃO!

 

 

 

Queima coração!

 

Necessito, urgentemente,

 

Da sua presença!

 

 

 

Beijar você,

 

É sentir a ENERGIA DO AMOR!

 

 

 

Dedico a TI,

 

Essa POESIA!

 

 

 

Do fundo do meu coração, te digo:

 

- És TERNURA!

 

SONHO DE POETA!

 

HISTÓRIA DE AMOR!

 

 

 

Me

 

APAIXONEI POR VOCÊ!

 

 

 

Loucamente

 

TE AMO!

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

32- RECORDAÇÕES QUE SUFOCAM

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

Lembro...

 

Que desesperados,

Ficamos a sós!

 

Que corpos ardentes,

Se rasgaram,

Em meio a tantos beijos!

 

Que a tarde,

Logo passou!

 

Que nos amamos,

Até o amanhecer!

 

Que deixamos

Compromissos,

Para trás!

 

Que por várias vezes,

VOCÊ DISSE: - MORRI!

E que muitas vezes,

EU DISSE: - TE AMO!

 

Que naquela

Manhã de outono,

Marcamos

Outro encontro!

 

Que antes de sair,

VOCÊ DISSE:

- ME LIGA!

Que ao fechar

O portão,

EU DISSE:

- TE LIGO!

 

Que naquela tarde,

Daquele dia,

Nos encontramos!

 

MAS...

VOCÊ DISSE ADEUS

E RECORDAÇÕES,

 AGORA SUFOCAM!

 

 

 


 

 

 

 

 

33- AMOR DE UM INSTANTE

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

 

Assim, lentamente,

 

Vem, coração!

 

 

 

A felicidade te espera!

 

 

 

Deixa o destino mesclar:

 

Amor, fogo e paixão!

 

 

 

Nesses olhos:

 

 

 

Sentimento

 

Irresistível de

 

Momento!

 

 

 

Seu charme ilumina,

 

Os últimos segundos que restam,

 

De uma tarde de SETEMBRO

 

 

 

E a última gota de chuva,

 

Fez a flor do amor,

 

Exalar o seu perfume!

 

 

 

Se os colibris,

 

Já anunciavam a sua presença,

 

 

 

Sei que és, verdadeiramente,

 

 

 

UM AMOR DE PRIMAVERA!

 

 

 

 


 

 

 

 

 

34- ÉS AMOR

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

ÉS AMOR!

 

Pedes BEIJO!

 

Queres ABRAÇO!

 

 

 

Em silêncio,

 

Lembras de “ALGUÉM”!

 

 

 

Daquelas PALAVRAS!

 

De uma TERNURA!

 

 

 

Por AMOR, já chorou!

 

 

 

Já sofreu!

 

Se entregou!

 

 

 

Escreves POEMAS!

 

 

 

Que falam da dor,

 

Do verdadeiro AMOR!

 

De alguém que se foi!

 

Dessa ETERNA paixão!

 

 

 

VOCÊ...

 

 

 

Flor de PRIMAVERA!

 

Sabor de OUTONO!

 

Calor de INVERNO!

 

Amor de VERÃO!

 

 

 

ÁGUA CRISTALINA,

 

NUM CORAÇÃO DESERTO!

 

 

 

ENCONTRO PERFEITO,

 

DE UM FINAL DE SEMANA!

 

 

 

MINHA INSPIRAÇÃO!

 

 

 

 


 

 

 

 

35- ALMAS QUE SE AMAM

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

Se me olhas,

 

Te digo: - Amo-te!

 

 

 

Como VENTO que se acalma,

 

Depois da tempestade,

 

Em sossego, fica meu coração,

 

Quando me beijas!

 

 

 

Você diz: - Sabes “tudo” de mim!

 

 

 

Te digo: - És um livro!

 

Cada palavra,

 

De qualquer linha,

 

De toda página,

 

Sei comentar!

 

 

 

Por esse amor, me viro do avesso!

 

Esqueço dores!

 

Abandono medos!

 

 

 

Se me tocas,

 

Quero voar!

 

 

 

Sem ti,

 

Desisto de viver!

 

 

 

E o UNIVERSO

 

Sempre pede,

 

Um pouco mais,

 

De NÓS DOIS!

 

 

 

Somos assim,

 

Entre

 

TODAS AS COISAS DO MUNDO:

 

 

 

Fogo e Paixão!

 

Amor e Adoração!

 

Vida e Paz!

 

 

 

ALMAS QUE SE AMAM!

 

 

 

 


 

 

 

 

36- SEU SORRISO

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

 

 

Definitivamente!

 

 

 

A esse SORRISO,

 

Não resisto!

 

 

 

Que venha a tempestade!

 

Que junto com o vento forte,

 

Desça o céu!

 

Caia a lua!

 

Se acabe as estrelas!

 

Chova pedras!

 

Morra os anjos!

 

 

 

Deixa chover!

 

Não me importo,

 

Se depois o sol vai brilhar,

 

Ou se sempre vai ser noite!

 

 

 

Durante as tribulações,

 

Pra que me preocupar?

 

Seu sorriso alimenta!

 

 

 

E depois,

 

Se no UNIVERSO,

 

Só existir EU, VOCÊ

 

E O AMOR,

 

Que seja assim!

 

 

 

Se tenho você comigo,

 

Tenho o brilho de um sorriso,

 

Que me faz FELIZ!

 

Me APAIXONA!

 

 

 

Me traz TERNURA!

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

37- CONVENÇA-ME

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Convença-me,

 

Que esses olhos me enviaram,

 

SINAIS!

 

 

 

Convença-me,

 

Que o toque, nesse cabelo,

 

É porque pedes AMOR!

 

 

 

Convença-me,

 

Que, quando menos esperas,

 

Seu pensamento vai ao meu encontro!

 

 

 

Convença-me,

 

Que esses lábios,

 

Tem sede de beijo!

 

 

 

Convença-me,

 

Que os AMORES do passado,

 

Só causaram dor e sofrimento!

 

 

 

Convença-me,

 

Que essa mão,

 

É capaz de escrever lindos POEMAS!

 

 

 

Convença-me,

 

Que no seu CORAÇÃO,

 

A FLOR da TERNURA,

 

Nunca deixou de existir!

 

 

 

Convença-me,

 

Que essa voz,

 

É capaz de me acalmar,

 

Nas horas mais difíceis,

 

DO MEU “EU”!

 

 

 

Convença-me,

 

Que tens o DOM

 

De me fazer FELIZ!

 

 

 

E então, direi ao mundo que tu és,

 

A FORÇA DO AMOR!

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

38- PROCURA-SE!

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

 

 

Te procuro...

 

 

 

Talvez estejas

 

Nas esquinas,

 

Onde a flor-do-paraíso,

 

Ainda não desabrochou!

 

 

 

Assim...

 

Desesperadamente,

 

Te quero!

 

 

 

De que vale a bela poesia,

 

Se o motivo de tanta inspiração,

 

Vive a se esconder?

 

 

 

Te busco...

 

 

 

Nos corações mesclados,

 

Arranhados por marfins,

 

Mas banhados a ouro,

 

Assim tão brilhante!

 

 

 

Te chamo...

 

 

 

Nas noites,

 

Em que a escuridão,

 

Teima em desafiar,

 

Meus sentidos,

 

Minhas emoções,

 

Meus sonhos!

 

 

 

Imploro...

 

 

 

A compreensão

 

Desses olhos,

 

Que já foram tatuados

 

Nas costas,

 

De mãos tão levianas,

 

Tão arrogantes,

 

Tão solitárias!

 

 

 

 

 

 

 

Choro...

 

 

 

Nesses dias

 

Em que o tédio,

 

Não é o único tormento,

 

Mas sim, complemento,

 

De uma VIDA VAZIA,

 

 

 

PERDIDA!

 

MAL VISTA!

 

 

 

SOFRIDA!

 

 

 

 

 


 

 

 

 

39- TEUS OLHOS

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

 

Não!

 

Tristeza, nesses olhos,

 

Não aceito!

 

 

 

Sim, eu sei!

 

Bem sabes, tu!

 

 

 

Teus olhos:

 

 

 

Néctar de tantos colibris;

 

Felicidade dos rouxinóis;

 

Estrela de toda manhã;

 

Sol dessas tardes nubladas;

 

Lua das noites escuras;

 

Inspiração dos compositores;

 

Brilho de primavera!

 

 

 

Quero ser esse escudo,

 

Que te protege dos espinhos,

 

Que quase sempre, profundamente, ferem;

 

Tantas vezes, arranham;

 

Muitas vezes, querem matar!

 

 

 

Eu:

 

Aprendiz do AMOR!

 

 

 

Você:

 

Esse encanto que seduz!

 

 

 

Nós:

 

Viajantes dessa estrada,

 

Cheia de tropeços,

 

Em algumas pedras,

 

Mas de muitas rosas!

 

 

 

Sei que sim!

 

Ah! Eu bem sei!

 

 

 

Nos entendemos,

 

Claramente,

 

Assim,

 

Seu olhar no meu!

 

Nossas ENERGIAS,

 

Sempre em SINTONIA!

 

 

 

TE AMO!

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

40- AMOR SEM FIM

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

 

Tatuo em meu coração,

 

A doçura que vem desse olhar,

 

Porque quero em minhas veias,

 

Um pouco da sua essência!

 

 

 

Todos os dias,

 

A cada instante,

 

Vou adicionar

 

No álbum, MINHA MONA LISA,

 

Da minha mente,

 

Todas as fotos do seu perfil!

 

 

 

Quero sempre sentir,

 

O gosto do seu beijo,

 

Em minha boca!

 

 

 

Faço questão de ouvir,

 

Todo som que vem

 

Desse caminhar,

 

Cheio de beleza!

 

Carregado de ternura!

 

 

 

Pra você:

 

 

 

Perfume de hortelã,

 

Num poema

 

Que tem, as cores da romã!

 

 

 

Carisma de jasmim!

 

Flor de alecrim,

 

Nas cartas de amor!

 

 

 

AMOR SEM FIM!

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

41- TU VENS

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sim,

 

Assim, tu vens!

 

 

 

Como pluma,

 

Nessas ventanias de dezembro,

 

Tão suavemente,

 

Toca esse meu coração aventureiro!

 

 

 

Sim, sei!

 

Ah! Como sei!

 

 

 

Tu vens,

 

Num brilho de estrela,

 

Dessas noites de lua clara,

 

Dar vida aos meus olhos,

 

Já cansados de tantas batalhas,

 

De muitas derrotas!

 

 

 

Tu vens,

 

Pra colorir meu sorriso,

 

Assim,

 

Antes que a tarde se despeça

 

E leve embora, o último arco-íris do dia,

 

Da última garoa de uma primavera!

 

 

 

Tu chegas,

 

Em qualquer madrugada de neblina,

 

Com o coração, por amor, a palpitar

 

E no rosto, um lindo sorriso!

 

 

 

Diz que colhe em mim a lágrima,

 

Que te revigora a alma!

 

 

 

Diz que sou a nuvem,

 

Das manhãs mais intensas,

 

Dos verões mais ardentes!

 

 

 

Partes, assim tão de repente

 

E me deixas um recado,

 

Num poema de dor,

 

Prometendo que em breve,

 

Voltarás!

 

 

 

Só assim,

 

Tens tu,

 

A FELICIDADE!

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

42- MUITO MAIS QUE PRAZER

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

 

Muito mais que prazer!

 

O valor de uma grande emoção!

 

Nós dois, mais uma vez,

 

Por essas trilhas,

 

Que só o amor,

 

É capaz de propor!

 

 

 

De repente,

 

Mais acelerados!

 

Muitas vezes,

 

Tão ofegantes!

 

 

 

Longos beijos,

 

De um romance,

 

Muito mais que marcante!

 

 

 

Uma história de amor,

 

Tatuada pelo sol!

 

Que a chuva abençoou!

 

Que a ventania consagrou!

 

 

 

Aplaudida pelos anjos!

 

Refletida no céu!

 

Concentrada nas nuvens!

 

 

 

Escrita nas estrelas!

 

 

 

Esses corações enraizados,

 

Em corpos, tão dependentes

 

Um do outro,

 

Tão cheios de pecado,

 

 

 

Mas carimbados, pelo

 

BRILHO DE UM AMOR

 

SUBLIME!

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

43- SUA LUZ

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

 

 

Tão imediatamente,

 

Chego à óbvia conclusão:

 

Tens o poder de curar!

 

 

 

Essa luz é o remédio,

 

De uma alma já cansada,

 

De tanta maldade alheia,

 

De tanto desassossego,

 

De todo descaminho,

 

Do medo

 

E da loucura!

 

 

 

Um toque,

 

Assim tão sutil,

 

Só pode vir,

 

De alguém muito especial!

 

 

 

Ah! Esse coração!

 

Tem a doce mania de trazer FELICIDADE!

 

 

 

Faz o FEL virar MEL!

 

Manda a tristeza,

 

Dar lugar à alegria!

 

Adocica momentos!

 

Afasta furações

 

E traz a leve brisa do AMOR!

 

 

 

Uma luz assim,

 

Tem tanta magia,

 

Que até os pardais,

 

Se dispõem a imitar,

 

Rouxinóis!

 

 

 

Muda o perfume do jasmim!

 

Enaltece o dia

 

E faz a noite adormecer

 

Num MAR DE TERNURA!

 

 

 

Palmas pra você!

 

Glória à vida!

 

Que esse DOM nunca se acabe!

 

 

 

Um BRINDE ao AMOR!

 

 

 

 


 

 

 

 

 

44- PARAÍSO DE TERNURA

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sim, claro!

 

Já sabia, sim!

 

 

 

Seus sinais,

 

Para mim,

 

Sempre foram tão evidentes!

 

 

 

Se tu tens essa ALMA,

 

Que me abre as portas,

 

Desse PARAÍSO DE TERNURA,

 

Por que devo me preocupar com tribulações?

 

 

 

Posso sentir, claramente,

 

O que cada toque seu,

 

Me propõe!

 

 

 

Nossos olhares se satisfazem!

 

 

 

Nossos corações se fortalecem,

 

Assim,

 

 “Num piscar de olhos”!

 

 

 

Juntos,

 

Somos um só

 

Coração!

 

 

 

Somos A FESTA das ventanias!

 

O DOCE do orvalho!

 

A ENERGIA das estações,

 

De todos os anos!

 

 

 

A ALEGRIA da chuva!

 

O BERÇO das noites!

 

Os JARDINS das manhãs!

 

A PUREZA das tardes!

 

 

 

DO AMOR:

 

A TRADUÇÃO!

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

45- AS GUERRAS DO AMOR

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

 

Ah! Esse coração!

 

Cravejado,

 

Nos contornos,

 

Por espinhos!

 

Nos meios,

 

Por brilhantes!

 

 

 

Aventureiro!

 

 

 

Se dispõe,

 

Assim,

 

De uma hora pra outra,

 

A cair em uma mão

 

Qualquer,

 

Sem pensar nessas tragédias,

 

Tão cheias de feridas,

 

Que deixam tantas cicatrizes!

 

 

 

Bandoleiro!

 

 

 

Se rende a um capricho aqui,

 

Outro acolá,

 

Assim, tão acelerado,

 

Nem se dá conta,

 

Dos muitos ridículos,

 

Que vem se propondo!

 

 

 

Inquieto!

 

 

 

Não se contenta com a PAZ!

 

Quer ser acariciado com as armas,

 

Das GUERRAS DO AMOR!

 

Quer sofrer, por prazer!

 

Quer sentir as dores,

 

Que vem desses maus-tratos!

 

Quer se perder!

 

 

 

Peregrino!

 

 

 

Vai se humilhando,

 

Pra essas rosas, já tão esvoaçadas!

 

Despetaladas num de repente,

 

Tão repentino!

 

Tão extravagante!

 

 

 

Ah! Coração sofredor!

 

 

 

 


 

 

 

 

 

46- SEMPRE, SEMPRE, SEMPRE...

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

 

E te espero outra vez!

 

 

 

Sei que agora,

 

Jamais te esquecerei!

 

 

 

Sua ausência,

 

Aos poucos,

 

Vai me enlouquecendo!

 

 

 

Me agarrei demais a esse CORAÇÃO,

 

Que assim, tão profundamente,

 

Arrancou de mim,

 

Todo MAL que me sufocava,

 

Mudou esse meu destino

 

E me mostrou UM NOVO AMANHECER!

 

 

 

Não desisto de ti,

 

Porque, tantas vezes,

 

Disseste tudo,

 

 

 

TUDO o que EU

 

Sempre quis ouvir!

 

 

 

SEMPRE,

 

Estaremos juntos,

 

Em qualquer canção,

 

Que fale de um GRANDE AMOR!

 

 

 

SEMPRE,

 

Você será a minha CURA!

 

 

 

Nesse meu coração,

 

Tatuo sua IMAGEM,

 

Para SEMPRE!

 

 

 

Para mim,

 

Importante demais é viver,

 

Seguindo SEMPRE,

 

As LEIS que seu CAMINHO,

 

Me proporciona!

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

47- ESSE AMOR

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

Esse amor,

 

Já te enlouqueceu,

 

Te envolveu em lençóis,

 

Tatuou sua vida,

 

Mudou suas manias,

 

Tem sabor de alegria,

 

Tem a cor da emoção,

 

Tem em sua essência,

 

Fantasia e desejo,

 

Suor e pecado!

 

 

 

Esse amor,

 

Te faz parar pra pensar,

 

A essa mão, se agarra,

 

Afaga seus cabelos,

 

Arrepia essa pele,

 

Sempre pede mais beijo,

 

Não recusa carícias,

 

Se aquece em abraços,

 

Tão dedicados a ti,

 

Tão apaixonados!

 

 

 

Esse amor,

 

Te liberta de medos,

 

Te expõe aos segredos,

 

Das loucuras vividas,

 

Nesses travesseiros,

 

Dessas camas tão quentes,

 

Sempre tão confidentes, muito assim, coloridas,

 

Que exalam a fragrância,

 

De um romance que deixa,

 

Num colchão, muitas marcas!

 

 

 

Esse amor,

 

Chega sem avisar,

 

Assim, tão sorridente,

 

Sempre oferta um presente,

 

Diz estar carente,

 

Nunca se arrepende,

 

Quando escreve num espelho,

 

Esses versos de amor,

 

Assinados com beijos,

 

Num sabor de morango!

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

48- ME DISSE ADEUS

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

 

Antes da tarde se despedir,

 

Entre lágrimas e soluços,

 

Você DISSE ADEUS!

 

 

 

Sua mão trêmula,

 

Não queria,

 

Mas entregou esse POEMA:

 

 

 

Com você, meu coração...

 

 

 

Surfou nas ondas da liberdade!

 

Navegou nos mares da alegria!

 

Desfrutou a fragrância das mais belas flores!

 

Deu um beijo na lua!

 

Viajou pelas estrelas!

 

Conheceu outros planetas!

 

Recebeu o conforto das manhãs!

 

Foi idolatrado, em todas as tardes!

 

Nas noites, foi o mais amado!

 

Nas madrugadas, se encheu de ternura!

 

Foi aplaudido nas praias do prazer!

 

 

 

Com você,

 

Aprendi que a felicidade,

 

É um país,

 

Só habitado por anjos,

 

Que me levaram aos céus,

 

Me ofertaram rosas, nas montanhas

 

E me chamaram de AMOR!

 

 

 

ADEUS!

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

49- COM VOCÊ

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

Com você,

 

O café da manhã tem mais sabor!

 

O almoço é especial

 

E a noite diz pra madrugada:

 

- I love you!

 

 

 

Com você,

 

Colho o fruto,

 

Que a árvore do carinho,

 

Me proporciona!

 

 

 

Com você,

 

Mato a sede,

 

No riacho da felicidade!

 

 

 

Com você,

 

Vejo a tarde escrever um poema!

 

 

 

Com você,

 

O vento entoa a canção do prazer!

 

O sol se esquece de partir!

 

A lua pede beijo!

 

O mar é sempre sereno!

 

 

 

Com você,

 

Esqueço os medos!

 

Exponho segredos!

 

Abandono afazeres!

 

Tudo me faz rir!

 

 

 

Com você,

 

Brilha a sorte!

 

A maldade se esconde!

 

A ternura abre os braços!

 

Os problemas se afastam!

 

 

 

Com você,

 

Vejo as feras se acalmarem!

 

Tem orquestra de passarinhos!

 

O dia tem mais cor!

 

 

Minha vida se alegra!

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

50- ACABOU O AMOR

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

Quando você ouviu, acabou o amor,

 

Seu coração se estremeceu!

 

Seus olhos se avermelharam!

 

 

 

No desespero,

 

A última carta, tu abraçaste!

 

 

 

Correndo, tu saíste,

 

Em busca da fragrância, daquele perfume!

 

 

 

Quando você ouviu, acabou o amor,

 

Aos prantos, gritaste:

 

- NÃO! NÃO! NÃO!

 

- AINDA TE AMO!

 

 

 

Quando você ouviu, acabou o amor,

 

Numa fúria louca,

 

Fotos nas redes sociais, tu apagaste!

 

O celular, você quebrou!

 

Suas mãos destruíram o TABLET!

 

 

 

Quando você ouviu, acabou o amor,

 

Sua fome se extinguiu!

 

Sua sede se aboliu!

 

Seu corpo pereceu!

 

Você quase morreu!

 

 

 

Quando você ouviu, acabou o amor,

 

Sua voz se esvaiu!

 

Do seu quarto, foste prisioneiro!

 

A desordem se apossou de ti!

 

Abandonaste o mundo!

 

 

 

Quando você ouviu, acabou o amor,

 

Amigos, você renunciou!

 

Com Deus, você reclamou!

 

 

 

Quando você ouviu, acabou o amor,

 

Nenhuma canção te acalentou!

 

 

 

Sua obsessão era aquele alguém!

 

Alguém que nunca te esquece,

 

Mas que deixou de te amar!

 

 

 

 


 

 

 

 

 

51- A GENTE PEDE MAIS BEIJO

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

A gente pede mais beijo!

 

 

 

Nas manhãs que chegam,

 

Com a ardência do sol,

 

Ou nas tardes nubladas,

 

De frio e ventania!

 

 

 

A gente pede mais beijo!

 

 

 

Pode ser nessas horas,

 

De cinema e pipoca,

 

Ou nesses instantes,

 

Quando nos encontramos,

 

Depois de algum tempo,

 

Que estivemos ausentes!

 

 

 

A gente pede mais beijo!

 

 

 

Quando nos olhamos

 

E não resistimos,

 

A tanta ternura

 

E muita doçura!

 

 

 

A gente pede mais beijo!

 

 

 

Nas camas tão grandes,

 

Sempre tão coloridas,

 

Onde o meu corpo, enfim,

 

Sempre caça você!

 

 

 

A gente pede mais beijo!

 

 

 

Na piscina de um clube,

 

Ou na trilha do bosque!

 

Dentro de um automóvel,

 

Ou juntos, num avião!

 

 

 

A gente pede mais beijo!

 

 

 

Diante das loucuras,

 

Que você me propõe,

 

Sussurrando delícias,

 

Me deixando voraz!

 

 

 

E assim somos nós:

 

Sempre pedimos mais beijo!

 

 

 

 


 

 

 

 

 

52- AMORES DA VIDA

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

Por esse amor,

 

Abandonaste afazeres,

 

Aceitaste loucuras,

 

Perdeste a sede e a fome!

 

 

 

Esse amor,

 

Te fez rodopiar nas ventanias,

 

Jogar beijos às estrelas,

 

Sorrir nos bosques da ternura,

 

Navegar nos mares da emoção!

 

 

 

Um amor,

 

Que te modificou,

 

Te rejuvenesceu,

 

Te trouxe aplausos,

 

Ignorou seus defeitos,

 

Aceitou suas decisões!

 

 

 

Amor de um verão,

 

Que de repente, partiu,

 

Sem deixar paradeiro,

 

Sem dar explicação,

 

Te deixando tão só,

 

Numa madrugada de sonho e calor!

 

 

 

Amor,

 

Que te desesperou,

 

Te fez sofrer e chorar!

 

 

 

Sei que ainda tu esperas,

 

Mesmo estando agora,

 

Nos braços de outro alguém,

 

Encontrar novamente,

 

Esse amor de outrora,

 

Pra saber a razão,

 

Dessa insensatez!

 

 

 

Amores que se vão!

 

Amores feridos!

 

 

 

Amores da vida!

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

53- QUERO BEM MAIS

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

Quero bem mais que sorrisos!

 

Quero bem mais que olhares!

 

Quero sim, muito mais que toques!

 

 

 

Quero aquele instante mágico,

 

Em que o seu olhar,

 

Tão de repente,

 

Me entende!

 

 

 

Quero ser o alvo,

 

Dessa sua intuição anormal,

 

Desse seu destino de glória!

 

 

 

Quero a poesia,

 

Fluindo assim, naturalmente,

 

Contando histórias importantes,

 

De nós dois!

 

 

 

Quero essa energia,

 

Que afasta a maldade,

 

Põe a inveja de joelhos

 

E brinda a felicidade,

 

Todos os dias!

 

 

 

Quero perto de mim,

 

O brilho desse coração soberano!

 

 

 

Quero bem mais!

 

Quero os receios enterrados!

 

Quero a febre do desejo,

 

Rasgando roupas!

 

 

 

Quero as mais loucas fantasias,

 

Testemunhadas pelos travesseiros!

 

 

 

Num abraço longo e intenso,

 

Depois de um beijo,

 

Você diz:

 

- Como é bom estar perto de você!

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

54- VOCÊ SEMPRE EM MIM

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

Onde está você?

 

 

 

Certos momentos,

 

De nós dois,

 

Para mim,

 

Ficaram eternos!

 

 

 

Continuo me enganando,

 

Dizendo pra mim mesmo,

 

Que em alguns instantes,

 

Você pensa em mim!

 

 

 

Às vezes, penso até que te vi,

 

Assim, um pouco distante de mim,

 

Entrando num ônibus,

 

Caminhando pela rua,

 

Dessa selva de pedra,

 

Ou abrindo um portão,

 

De um desses quintais,

 

Mais próximos de mim!

 

 

 

Numa curva qualquer,

 

Ouço uma voz,

 

Que me lembra você!

 

 

 

Seu sorriso, às vezes,

 

Parece estar tão presente,

 

Tão perto de mim!

 

 

 

Parece loucura,

 

Mas, às vezes,

 

Sinto o perfume da sua roupa,

 

Me envolvendo!

 

 

 

Um dia desses, até me emocionei,

 

Ao ver que casais de namorados,

 

Se divertiam como nós,

 

Em tempos outrora!

 

 

 

Acredito que estás muito bem!

 

Depois de tantas aventuras amorosas,

 

Sei que agora, nem a morte irá te separar,

 

Desse seu amor!

 

 

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

55- VEM

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

Vem!

 

Vamos juntar as dores,

 

Pra no fim,

 

A gente rir!

 

 

 

Vamos cantar qualquer canção,

 

Que cite a importância do amor,

 

A elegância de um beijo,

 

Ou o prazer de uma vida,

 

Só de alegria!

 

 

 

Vamos sentir a fragrância,

 

Da flor da paixão

 

E dos nossos perfumes,

 

Que envolvem as manhãs

 

E enaltecem os nossos corações!

 

 

 

Vamos ser a festa de todas as tardes,

 

De todos os feriados,

 

Ou dos dias em que a monotonia,

 

Persiste em nos maltratar!

 

 

 

Vem!

 

Vamos resgatar a essência,

 

Que deu glória a tantos amores,

 

Mas que está esquecida,

 

Porque muitos foram os golpes,

 

Da maldade alheia!

 

 

 

Vamos esquecer o tempo,

 

As aflições e as revoltas,

 

Dando lugar a corpos,

 

Tão necessitados da mistura,

 

Desses suores,

 

Desses lençóis,

 

Dessas peles!

 

 

 

Vem!

 

Seguir o caminho,

 

Que é livre de descaminho

 

E que dá solução,

 

À dificuldade que vigora,

 

Que é tão cruel!

 

 

 

 


 

 

 

 

56- DIZEM QUE TU

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

Dizem que tu andas,

 

Assim, por aí,

 

Fingindo ser santa,

 

Amando alguém.

 

 

 

Dizem que tu,

 

Se importas comigo,

 

Se estou tão triste,

 

Ou se me afasto de todos.

 

 

 

Dizem que tu,

 

Falas muito o meu nome

 

E as nossas aventuras,

 

Não escondes a ninguém.

 

 

 

Dizem que tu,

 

Pegas o telefone,

 

Mas hesitas discar,

 

O número,

 

Que nunca esquecerás.

 

 

 

Vou confessar,

 

És assim, um encanto,

 

Muito inteligente

 

E sempre tão elegante.

 

 

 

Eu não fui feito,

 

Só pra me aventurar,

 

Com alguns abraços

 

E poucas horas de calor.

 

 

 

Não quero ser,

 

Só o presente do passado,

 

Quero o futuro dizendo,

 

Que você vai estar sempre,

 

Do meu lado.

 

 

 

Sei que um dia, me encontrarás

 

E suas lágrimas,

 

Terei que enxugar.

 

 

 

Talvez assim,

 

Finalmente entendas,

 

Que as nossas vidas,

 

Não podem ser separadas.

 

 

 

 


 

 

 

 

 

57- DEIXE-ME

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

Deixe-me.

 

Preciso pensar.

 

 

 

Vou procurar motivos pra sorrir.

 

Vou tentar curar os traumas, os medos e as vertigens.

 

Vou aprender sozinho, a ser mais forte e mais humano.

 

 

 

Deixe-me.

 

Não quero que veja, mais uma vez,

 

A ira me dominar.

 

Não quero olhar em seus olhos e só ver fingimento.

 

 

 

Não. Não toque em mim.

 

Sua inveja, aliada à sua vaidade, me deixa triste.

 

 

 

Sua voz eu não quero ouvir.

 

 

 

Chega.

 

Suas chicoteadas de desprazer,

 

Causaram-me danos profundos.

 

 

 

Perdi meu tempo, apostando em sofrimento.

 

 

 

Seu caminho, tu dizias ser de amor,

 

Mas depois de tantos espinhos,

 

Ganhei o diploma da crueldade

 

E aprendi a ferir.

 

 

 

Pra mim, agora, você é tédio.

 

 

 

Deixe-me.

 

Um minuto diante de ti, me adoece mais.

 

 

 

A vida continua.

 

 

 

Aqui, ali, lá ou acolá,

 

Sempre vai ter um demônio,

 

Na pele de anjo.

 

 

 

Deixe-me.

 

 

 

 


 

 

 

 

 

58- AMOR DE CONFIANÇA

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

Ando devagar, quando estou contigo.

 

Fico tímido, se estou perto de ti.

 

Dou risadas, se escuto a sua voz, ou se olho pra você.

 

Existem muitas pessoas, mas eu só vejo você.

 

És tu, tudo o que penso.

 

Faço qualquer coisa, pra ir ao seu encontro.

 

 

 

Esse amor tem AMIZADE!

 

Tem COMPANHEIRISMO!

 

Tem FELICIDADE!

 

Tem EUFORIA!

 

Tem ESPERANÇA!

 

 

 

AMOR DE FIDELIDADE!

 

AMOR DE CONFIANÇA!

 

 

 

 


 

 

 

 

 

59- UM POUCO MAIS

DESSES SEUS OLHOS

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

 

Um pouco mais desses seus olhos

 

E prometo que faço, tudo o que quiser!

 

 

 

Um pouco mais desses seus olhos,

 

Pra que eu esqueça o tédio!

 

 

 

Um pouco mais desses seus olhos,

 

Pra eu abandonar de vez, esses meus afazeres!

 

 

 

Um pouco mais desses seus olhos

 

E saio pelas ruas, dando risadas, aos desconhecidos!

 

 

 

Um pouco mais desses seus olhos,

 

Pra eu assim gritar:

- EU AMO! AMO SIM! AMO DEMAIS!

 

 

 

Um pouco mais desses seus olhos,

 

Pra que eu abrace esses meus inimigos,

 

Com muita vontade!

 

 

 

Um pouco mais desses seus olhos,

 

Pra que eu fique, horas e mais horas,

 

Totalmente embriagado!

 

 

 

Um pouco mais desses seus olhos,

 

Pra que eu nem ligue,

 

Pra maldade alheia!

 

 

 

Um pouco mais desses seus olhos,

 

Pra que eu escreva,

 

Mil poemas por dia!

 

 

 

Um pouco mais desses seus olhos,

 

Pra que eu viva no “mundo da lua”!

 

 

 

Um pouco mais de você,

 

Pra que exista em mim,

 

Toda a paz do mundo!

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

60- GOODBYE

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

 

Hello! How are you?

 

Ah! De ti, ouço apenas comentários.

 

Não sei se são palavras verdadeiras.

 

 

 

Um dia desses, ouvi alguém dizer,

 

Que muito alegre tu estavas.

 

Conversavas com uma pessoa,

 

Segurando algo em sua mão

 

E antes de fechar um portão,

 

Um beijo de despedida,

 

Em seu rosto, recebeste.

 

 

 

Numa manhã de primavera,

 

Um jovem muito sorria,

 

Ao ler um poema de sua autoria.

 

 

 

Numa tarde de domingo,

 

Sua amiga cantou,

 

Uma das suas canções preferidas,

 

Num parque de diversões.

 

 

 

Fico feliz,

 

Tendo você agora, assim, bem perto de mim!

 

 

 

Sua alma tem a essência dos diamantes.

 

 

 

Eu vivo me iludindo,

 

Achando que num instante ou noutro,

 

Seu pensamento vai ao meu encontro!

 

 

 

Os nossos momentos,

 

Cheios de beijos e abraços,

 

Não saem da minha mente!

 

 

 

Sem dizer o porquê,

 

Tão repentinamente,

 

Tu disseste:

 

 

 

- Não quero mais te ver.

 

- Não me procure mais.

 

- A semana que vem, vou morar noutro lugar.

 

 

 

Fomos personagens,

 

De uma linda história de amor!

 

 

 

Só sei dizer,

 

Que eu ainda te amo!

 

 

 

Não! Não digas nada!

 

 

 

O destino nos colocou,

 

Frente a frente,

 

Outra vez!

 

 

 

Dessa vez, não vamos chorar!

 

 

 

Convenhamos:

 

 

 

Agora eu parto

 

E tu, seguirás o seu caminho!

 

 

 

Também, não me procurarás!

 

 

 

GOODBYE!

 

 

 


 

 

 

 

 

 

61- DIGA QUE ME ESPERA

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

Diga que me espera,

 

Numa tarde qualquer de verão,

 

Mesmo sendo dia, de granizo e ventania,

 

Mesmo que tu estejas, em plena melancolia.

 

 

 

Diga que me espera,

 

Numa manhã fria de inverno,

 

Mesmo sabendo que vai,

 

Chegar com atraso ao trabalho.

 

 

 

Diga que me espera,

 

Numa dessas madrugadas,

 

Em que o sono, tu perdeste,

 

Em que a minha ausência,

 

Insiste em te maltratar.

 

 

 

Diga que me espera,

 

Lá pelas vinte horas,

 

De uma noite de céu nublado

 

E chuva fina na calçada.

 

 

 

Diga que me espera,

 

Numa dessas esquinas,

 

Que foi palco de felicidade,

 

Que deixou saudade.

 

 

 

Diga que me espera,

 

Lá naquela lanchonete,

 

Onde amores se encontram,

 

Onde tudo começou.

 

 

 

Diga que me espera,

 

Com roupa azul e branco,

 

Num desses bancos de praça,

 

Dessa cidade de encontros e desencontros.

 

 

 

Diga que me espera,

 

Pacientemente,

 

Pensando só coisas boas,

 

Guardando esse seu sorriso,

 

Pra hora da minha chegada.

 

 

 

Diga que me espera,

 

Mas diga com sinceridade!

 

 

 

 


 

 

 

 

 

 

 

62- JÁ É TARDE

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

Já é tarde! É quase madrugada!

Pra que eu durma, preciso te esquecer.

 

Sua presença, tão perto de mim,

Traz luz à minha vida!

 

Já é tarde! É quase madrugada e parece até,

Que estou sentindo o seu perfume.

 

Em certos instantes, imagino você aqui,

Sempre olhando em meus olhos!

 

Já é tarde! É quase madrugada!

De repente, posso estar em seus sonhos.

 

Talvez num canto qualquer, desse seu quarto,

Está o seu diário,

Com muitos poemas, dedicados a mim!

 

Já é tarde! É quase madrugada!

Sua voz, urgentemente, eu preciso ouvir.

 

Já é tarde! É quase madrugada!

Seu jeito de ser me enlouquece.

 

Já é tarde! É quase madrugada!

Perdi as rédeas do meu coração.

 

Já é tarde! É quase madrugada!

Vasculho você na INTERNET

E encontro o seu FACEBOOK.

 

Já é tarde! É quase madrugada!

Vou te enviar um E-MAIL,

Dizendo coisas boas a seu respeito.

 

Já é tarde! É quase madrugada!

Por coincidência, te encontro,

Numa SALA DE BATE-PAPOS.

 

Já amanheceu e nós,

Não conseguimos dormir!

 

Já amanheceu e logo mais,

Nos encontraremos outra vez!

 

 

 


 

 

 

 

63- NOSSOS DISFARCES

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

Não. Não tenha receio.

 

Pode me chamar.

 

Tudo que é seu me fascina.

 

 

 

Por enquanto,

 

A gente se disfarça,

 

No olhar.

 

 

 

Sempre fingimos,

 

Que os nossos encontros,

 

São meras coincidências.

 

 

 

Eu finjo que você,

 

Simplesmente,

 

É minha amiga.

 

 

 

Você,

 

Ilude os outros,

 

Dizendo que eu, nem existo.

 

 

 

Discretamente,

 

Vamos dominando os nossos impulsos.

 

 

 

Só eu sei,

 

Desvendar os seus sinais!

 

 

 

Tu entendes,

 

Esse meu jeito de ser,

 

Como ninguém!

 

 

 

Combinamos, que entre nós,

 

Não irá existir traição.

 

 

 

Somos felizes!

 

 

 

Alimentamos nossas almas,

 

De segundos de prazer.

 

 

 

Com poucos raios de sol,

 

Tens tu, sua alegria.

 

 

 

Com pouquíssimas noites de luar,

 

Tenho eu, minha paz.

 

 

 

Dentro de nós:

 

A certeza do fim, dessas aparências!

 

 

 

EU e VOCÊ:

 

Cúmplices de um amor eterno!

 

 

 

 


 

 

 

 

64- QUASE FUI TE PROCURAR

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

Quase fui te procurar!

 

Quase! Quase mesmo!

 

 

 

Minha intenção,

 

Era olhar bem dentro dos seus olhos

 

E dizer:

 

 

 

- Não sei por que, mas juro que não te esqueço,

 

Um só segundo do meu dia.

 

 

 

Mas olhei pra mim mesmo e pensei:

 

Que cômico!

 

Que trágico!

 

 

 

É quase, como se eu,

 

Já estivesse ouvindo você dizer,

 

Sorrindo:

 

 

 

- Não.

 

- Somos apenas amigos e nada mais.

 

- Tenho certeza que encontrarás alguém.

 

- Então saberás o que é viver um grande amor.

 

 

 

Sou covarde? Não sei.

 

Fico querendo ter você perto de mim,

 

Mas sempre uma voz me diz:

 

 

 

- Ponha-se em seu lugar.

 

- Quem tu queres, está na flor da idade

 

E a cruz que carregas, já está pesando muito,

 

Em suas costas.

 

 

 

Sigo então, esse meu caminho,

 

Me empolgando com o seu sorriso,

 

Achando, que pra você, sou alguém importante,

 

Digno do seu amor.

 

 

 

És tu, a força que me dá mais vida!

 

 

 

Sou eu, o seu amante anônimo!

 

 

 

Mas quase fui te procurar!

 

Quase! Quase mesmo!

 

 

 

 


 

 

 

 

 

65- SOMOS ASSIM

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

Agora me abrace!

 

 

 

Já pertenço aos seus sonhos!

 

Curto a sua praia!

 

Me agrado com seus olhos!

 

Te amo loucamente!

 

 

 

Agora me beije!

 

 

 

Deixa o tempo passar!

 

Deixa o universo sorrir!

 

Nossas auras se atraem!

 

Nossas almas se amam!

 

 

 

Agora me diz,

 

Que amanhã, tu voltas!

 

 

 

Diz pra mim,

 

Que daqui a pouco,

 

Já estarei em seus versos,

 

Serei o seu poema!

 

 

 

Não! Antes de ir,

 

Cante!

 

Quero ouvir a canção,

 

Que escolhemos pra ser,

 

A nossa eterna lembrança!

 

 

 

Sorria outra vez!

 

 

 

Vou fotografar essa alegria,

 

Que me livra das dores!

 

 

 

Espere um pouco,

 

Porque essas suas mãos,

 

Ainda pedem carícias!

 

 

 

Agora vá!

 

 

 

Se eu chorar,

 

Não se preocupe!

 

 

 

Todos os dias,

 

Estarei te esperando!

 

 

 

 


 

 

 

 

 

66- EU E ESSES OLHOS

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

Eu e esses olhos!

 

 

 

Nos encontramos assim,

 

Num tão de repente, momento,

 

Dessa manhã de ventania,

 

De um perfeito dia de verão.

 

 

 

E enfim, esses olhos me disseram tudo!

 

Tudo aquilo que faz tão bem, pra um coração,

 

Que busca o dom da cura!

 

Que sofre, com as tragédias,

 

De algumas doces crueldades.

 

 

 

Eu e esses olhos!

 

 

 

Não tivemos tanto tempo,

 

Mas conseguimos escrever,

 

Algumas poucas frases,

 

De forte desejo,

 

De sinceridade concreta.

 

 

 

Ah! Se a timidez não tivesse existido,

 

Talvez, ali mesmo, naquele instante,

 

Esses lábios teriam se entregado,

 

Ardentemente.

 

 

 

Esses olhos!

 

 

 

Deixaram no ar, um perfume de “quero mais”!

 

 

 

Olhos assim costumam trazer a paz.

 

Vivem do capricho de sentir,

 

Aquilo que uma alma tem a dizer,

 

Em seu silêncio.

 

 

 

Eu e esses olhos!

 

 

 

Também, tão de repente,

 

Souberam disfarçar as situações,

 

Mas lá bem no fundo dos nossos corações,

 

Foi carimbada a marca da ternura.

 

 

 

E agora, o que é que eu faço?

 

 

 

Esses olhos!

 

Ah! Estão tão vivos em mim!

 

Não! Não posso me esquecer daqueles olhos.

 

 

 

 


 

 

 

 

67- TE ESQUECER

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

 

Não! Não peça pra que eu te esqueça!

 

Te esquecer é tão difícil,

 

Quanto apagar, letra por letra,

 

De um livro de mil páginas,

 

Ou escrever à mão livre,

 

Uma Bíblia,

 

Contando a história,

 

De trás pra frente.

 

 

 

Te esquecer,

 

É simplesmente achar,

 

Que se chega à lua,

 

Numa viagem que dura apenas,

 

Meio segundo.

 

 

 

Te esquecer,

 

É acreditar,

 

Que podemos viver,

 

Sem água, sem remédio

 

E sem comida.

 

 

 

Te esquecer,

 

É assim,

 

Algo muito complicado,

 

Como montar e desmontar,

 

Mil vezes,

 

Um quebra-cabeça de dez mil peças.

 

 

 

Te esquecer,

 

Pra mim,

 

É uma missão impossível!

 

 

 

Você:

 

 

 

Um sonho guardado,

 

Pela mais bela estrela do universo!

 

 

 

Uma canção,

 

Que um coral de fadas,

 

Entoa!

 

 

 

Um toque mais doce,

 

Da delicadeza!

 

 

 

Uma verdade,

 

Contada num poema de amor!

 

 

 

Não! Não peça pra que eu te esqueça!

 

 

 

Te esquecer?

 

Nem a morte vai fazer,

 

Eu te esquecer!

 

 

 


 

 

 

 

 

68- NÃO VENHA

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

Não! Não venha!

 

Agora não!

 

 

 

Agora eu,

 

Com esse meu coração,

 

Todo cheio de remendos,

 

Já estou quase te esquecendo!

 

 

 

Não! Não venha!

 

Agora não!

 

 

 

Aquelas canções, que a gente ouvia,

 

Em todo fim de tarde,

 

Foram excluídas da minha coleção.

 

 

 

É melhor assim.

 

Eu não quero me alimentar das suas doces palavras,

 

Porque sei, que jamais, serei capaz de viver ao seu lado.

 

 

 

De repente, essa brisa fresca que me alegra, pode ir embora

 

E dar lugar a terríveis vendavais.

 

 

 

Não! Não venha!

 

Agora não!

 

 

 

Eu não quero dar motivos, pra você, aqui ficar.

 

Também não quero dizer coisas,

 

Que vão te magoar, profundamente.

 

 

 

Sei sim!

 

Ah! Como sei!

 

Tu és inigualável e futuramente,

 

Posso te deixar triste,

 

Em um momento qualquer,

 

Em que eu não consiga me controlar,

 

Diante de certas situações.

 

 

 

Meu coração não se ilude com sorrisos.

 

Não é levado pelas emoções.

 

Teima em ser cruel,

 

Diante de toda ternura.

 

 

 

Não! Não venha!

 

Nem finja ser, aquilo que eu bem sei,

 

Que tu não és!

 

 

 

Já descobri a minha missão e preciso segui-la!

 

 

 

 


 

 

 

 

 

69- NOS ENVOLVEMOS DEMAIS

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

Nos envolvemos demais.

 

 

 

Depois...

 

 

 

De muitos risos,

 

De todas aquelas conversas,

 

De alguns passeios

 

E das muitas brincadeiras,

 

 

 

De repente,

 

Um beijo eu te dei.

 

 

 

Nos envolvemos demais

 

E o amor se fez!

 

 

 

Me olhando, você perguntou:

 

 

 

- E agora,

 

Nós estamos namorando?

 

 

 

E minha resposta foi SIM!

 

 

 

Como vou dizer não,

 

A quem sempre me estendeu a mão?

 

 

 

Como vou dizer não,

 

A esse alguém, que com muita naturalidade,

 

É capaz de me dar alegria, em cada segundo,

 

Que estou do seu lado?

 

 

 

Como vou dizer não,

 

A essa alma, que é o meu conforto,

 

Mesmo quando não está presente?

 

 

 

Com toda a certeza, eu sei:

 

Tu NÃO és bijuteria!

 

 

 

Indubitavelmente, tens tu,

 

O cor-de-rosa intenso,

 

De um diamante muito valioso!

 

 

 

Sendo assim, só me restam essas palavras:

- TE AMO!

 

 

 


 

 

 

 

 

70- NÃO ME DEIXE ASSIM

(Claudionor Araújo da Silva)

 

 

 

 

Não!

 

Não me deixe assim,

 

Dessa maneira,

 

Aqui, nesse lugar,

 

Totalmente exposto ao ridículo.

 

 

 

Essas palavras, que agora,

 

Eu acabei de ouvir,

 

Também vão ser comentadas,

 

Por todas essas pessoas,

 

Que presenciaram o seu momento de revolta.

 

 

 

Tu me culpas de coisas que eu não fiz.

 

Posso te garantir,

 

Que nunca farei tais barbaridades,

 

Porque sei que essas ações,

 

Causam danos irreparáveis.

 

 

 

Não! Não vá!

 

Posso explicar, nos mínimos detalhes,

 

O porquê da minha presença nessa mesa

 

E a razão que me levou, a fazer todos esses telefonemas,

 

Que já estão te levando à loucura.

 

 

 

Calma! Senta aqui!

 

Não vivo num mundo de mentiras.

 

Por que vou me perder assim,

 

Se não sou fruto da imoralidade?

 

 

 

Será que essa minha alma,

 

Consegue voar pra outras dimensões,

 

Só pra se satisfazer com outros sabores?

 

 

 

Lágrimas?

 

Agora não!

 

 

 

Vem! Me dá um abraço!

 

 

 

Algumas vezes,

 

Precisamos de tempestades,

 

Em nossas vidas,

 

Porque elas são capazes de varrer,

 

Todo mal que insiste em nos rodear

 

E mostram, que medidas devemos tomar,

 

Para que no final,

 

Um novo horizonte,

 

Seja desfrutado!

 


 

FIM!